Anderson Torres não entrega celular e PF deve recorrer à nuvem de dados

Aparelho telefônico do ex-ministro e ex-secretário de Segurança do DF não foi entregue aos agentes

Celular de Anderson Torres não foi entregue à PF (REUTERS/Adriano Machado)
Celular de Anderson Torres não foi entregue à PF

(REUTERS/Adriano Machado)

A Polícia Federal vai recuperar informações do celular de Anderson Torres, ex-secretário de Segurança Pública do Distrito Federal, via nuvem de dados. Isso porque o aparelho não foi entregue aos agentes.

Ao chegar ao Brasil no último sábado (14) e ser preso pela Polícia Federal, o ex-ministro da Justiça de Jair Bolsonaro (PL) não estava com o celular. Se estivesse, o telefone teria sido apreendido e periciado.

No dia 10 de janeiro, dia em que teve a prisão decretada, Torres publicou no Instagram uma mensagem avisando que seu número havia sido clonado. Ele estava de férias nos Estados Unidos.

“Olá, clonaram meu WhatsApp, não aceitem nenhuma mensagem ou ligação”, escreveu.

O que aconteceu com Torres?

Além de ser preso e chegar a pegar até 91 anos de detenção, Torres também corre o risco de ser expulso da Polícia Federal, onde atua desde 2003 - ou seja, há 20 anos. Ele é delegado de carreira.

Segundo delegados ouvidos pelo Metrópoles, a cúpula da corporação já fala na expulsão do ex-ministro. A avaliação é que, após o avanço das investigações, Torres será alvo de um processo administrativo interno que culminará com sua exoneração definitiva da PF.

Como se organizaram os atos terroristas em Brasília? A linha do tempo interativa abaixo te mostra, clique e explore:

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Obras de arte foram destruídas, itens roubados e o prejuízo ainda é calculado pelas autoridades. Veja a lista completa de obras destruídas nos ataques. Até o fim da segunda (10), pelo 1.500 envolvidos no episódio já haviam sido presos.