André Mendonça diz que atos antidemocráticos devem ser ‘respeitados’ desde que sejam ‘pacíficos’

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) André Mendonça defendeu nesta segunda-feira que é preciso “respeitar” as manifestações antidemocráticas de apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PL) que estão ocorrendo pelo Brasil após a vitória de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) desde que elas transcorram de forma “pacífica”.

Sonar: Silêncio do clã Bolsonaro nas redes sociais alimenta teorias conspiratórias

Rodovias: PRF pede mais prazo para apresentar relatório sobre multas após bloqueios

Em conversa com jornalistas após um evento sobre responsabilidade social com empresários, em um hotel na Zona Sul do Rio de Janeiro, ele disse enxergar uma divisão política na sociedade que deve ser superada para o país entrar num ciclo de desenvolvimento.

— O papel de todos nós é de serenidade, de respeitar essas manifestações pacíficas. E ao mesmo tempo buscar gerar uma pacificação no ambiente nacional que nos ajude a desenvolver e olhar pro futuro numa boa perspectiva. Logicamente que são ideais que as vezes se contrapõem num cenário eleitoral. Mas precisamos agora sentar e trabalhar para ajudar o Brasil — afirmou Mendonça.

Questionado se ele via os protestos como legítimos, mesmo diante de reivindicações como intervenção militar e fechamento do STF, ele reiterou a posição favorável:

— Desde que pacíficas e que respeitem direitos fundamentais das outras pessoas, sim — completou.

Orçamento secreto

Ao ser perguntado sobre a possibilidade do Supremo pautar a legalidade do orçamento secreto nas próximas semanas, Mendonça evitou responder afirmando que a decisão será da presidente do tribunal, Rosa Weber.

— Essa é uma questão pra presidência do Supremo. Não tenho o que manifestar a esse respeito. Mas ela sabe, ela que constrói a pauta. Em um momento oportuno ela vai levar os temas que considera relevantes pro momento — tergiversou.