Andressa Urach abandona igreja e diz que se sentiu mais usada 'que no tempo da prostituição'

·2 minuto de leitura
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 13-02-2015 - Andressa Urach. (Foto: Keiny Andrade/Folhapress)
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 13-02-2015 - Andressa Urach. (Foto: Keiny Andrade/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Andressa Urach, 33, compatilhou nesta sexta-feira (30) sua decepção com a Igreja Universal, da qual fazia parte desde que 2014 e pretendia ser pastora. A ex-modelo fez um longo desabafo a respeito do assunto em suas redes sociais, em que disse ter se sentido usada e até ter pedido a devolução dos dízimos que doou ao longo dos anos.

"Nos últimos meses, passei por uma decepção tão grande que literalmente rasgou meu coração", disse "Não consegui nem estudar, vou ter que trancar a faculdade de jornalismo, pois não tenho cabeça para pensar sobre isso."

"Dediquei os últimos 6 anos da minha vida para Jesus, como todos sabem, mas acabei me sentindo como um objeto descartável", afirmou. "Nunca me senti assim, nem no tempo da prostituição."

"Sei que Jesus não tem nada a ver com isso e a obra de Deus é feita por pessoas falhas", avaliou. "Fui excluída de grupos, fazendo eu me sentir como se eu tivesse 'demônios' por deixar de fazer parte da instituição. Se eu falasse tudo que aconteceu comigo nesses últimos anos vocês se escandalizariam e eu teria virado ateia."

Ela lembrou da grave reação que teve aos produtos que usou em tratamentos estéticos e a fizeram ser internada em estado grave. "No hospital, em 2014, estive de frente com a morte e passei por uma experiência pessoal com Deus e sei que Jesus é vivo", disse.

A ex-vice-Miss Bumbum teme que seu desligamento da igreja afete a relação com a Record do Rio Grande do Sul, com a qual tem contrato até março de 2021. "Se eles não me demitirem até lá, como já fizeram da outra vez que estava em São Paulo, quando desobedeci a orientação que recebi e casei com o pai do meu filho."

Ela resume a questão assim: "Amo a igreja, mas não consigo mais ir na igreja, peguei ranço, pois falam que uma vez afastado ficamos sete vezes piores do que quando chegamos". "Então não quero ficar ouvindo isso!", reclamou. "Isso está me fazendo mal. Não quero e não vou voltar a ser quem eu era."

A modelo disse que sofre de síndrome de borderline, que ela mantém sob controle com tratamento psiquiátrico. "Enquanto estava na igreja, estava tudo sobre controle, mas agora que não estou mais indo na igreja, voltei a tomar uns remédios para me acalmar e controlar minhas crises de ansiedade que voltaram essa segunda-feira", revelou. "E preciso controlar minha impulsividade e principalmente a minha raiva!"

"Conversei amigavelmente com a igreja para eles me devolverem as doações que fiz nos últimos anos", contou. "Infelizmente não tive retorno ainda, não queria entrar na Justiça."