Aneel homologa contratação de energia de térmicas que custará R$ 39 bilhões de 2022 a 2025

·1 min de leitura

BRASÍLIA — A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) homologou neste sábado o resultado do leilão de contratação emergencial de energia para os próximos anos a custo total de R$ 39 bilhões. Os contratos têm vigência de 2022 até 2025.

O leilão serviu para contratar a energia de reserva com o objetivo de otimizar os recursos para enfrentar a crise hídrica atual. A contratação deve aumentar o fornecimento de energia elétrica em 775,8 megawatts médios.

A energia virá principalmente de 14 usinas térmicas a gás natural no Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Paraná, Rio de Janeiro, Santa Catarina e São Paulo. O restante virá de duas usinas de energia solar em Rondônia e uma de biomassa no Mato Grosso.

Para homologar essa contratação, a Aneel precisou derrubar uma liminar na Justiça que questionava o impacto do custo da contratação na tarifa de energia. As autoras da ação, Érica Conceição Passos e Gerenilza Passos, questionaram a decisão da agência por alegadas irregularidades e o gasto desnecessário já que as chuvas estão voltando a encher os reservatórios.

As autoras ganharam na primeira instância, mas neste sábado, o desembargador Ítalo Fiovaranti Sabo Mendes, presidente do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), entendeu que esse não era o caso.

O início do suprimento dessas usinas está previsto para maio de 2022 e há previsão de investimentos de R$ 5,2 bilhões.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos