Anestesista preso por estupro será investigado pelo Conselho de Medicina do RJ

Segundo Cremerj, alguns dos crimes do médico ocorreram quando ele ainda não tinha autorização para atuar

Anestesista colombiano é preso por abusar de pacientes no RJ - Foto: Reprodução/TV Globo
Anestesista colombiano é preso por abusar de pacientes no RJ - Foto: Reprodução/TV Globo
  • Conselho Regional de Medicina do Rio abre investigação contra médico anestesista preso por estupro;

  • Cremerj também vai averiguar unidades de saúde onde ele teria atuado de forma irregular, quando não possuía CRM;

  • Preso, o homem confessou ter abusado de mulheres que estavam anestesiadas para procedimentos cirúrgicos.

O Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro (Cremerj) abriu um processo de sindicância contra o médico anestesista Andres Eduardo Onate Carrilo.

Preso na madrugada desta segunda-feira (16), o homem que é natural da Colômbia teria estuprado pacientes em hospitais do Rio de Janeiro quando estas estavam dopadas para procedimentos cirúrgicos.

As violências cometidas pelo médico foram registradas em vídeo. De acordo com a polícia, as vítimas se reconheceram nas imagens até então armazendas por Andres.

Segundo o Conselho, na época dos casos mencionados, o profissional de saúde não possuía CRM e atuava de forma irregular, “fato que também será apurado junto às unidades de saúde”, indica nota oficial do Cremerj.

"Após a apuração dos fatos pelo Conselho, mediante análise da cópia do inquérito policial solicitada hoje, um processo ético-profissional (PEP) poderá ser instaurado para julgar o caso. Finalizado o rito processual, se considerado infrator, o médico pode sofrer a cassação do exercício profissional”, indica o texto, que ainda considera “gravíssimas” as acusações contra o médico.

Residente no Brasil há seis anos, Andres foi preso em casa, na Barra da Tijuca. Ele era investigado desde dezembro de 2022, após a Polícia Civil receber informações sobre um acervo com mais de 20 mil arquivos de pornografia infantil nos computadores do médico.

Ele teve o diploma validado, tem toda habilitação para trabalhar como médico no Brasil. Trabalhava desde 2020 no Brasil. Veio para o Brasil para fazer uma especialização em Anestesia. Ele não nega, mas não confirma os casos de estupro”, afirma o delegado Luiz Henrique Marques Pereira, segundo informações do portal UOL.

Entre os vídeos, estão materiais captados pelo próprio profissional em unidades de saúde. Duas delas integram a rede pública de atendimento.

Andres confessou estupros cometidos no ospital Estadual dos Lagos Nossa Senhora de Nazareth, onde ele abusou e filmou uma mulher que passava por uma laqueadura, e no omplexo Hospitalar Universitário Clementino Fraga Filho, o Hospital do Fundão da UFRJ, quando a vítima passava pela retirada do útero.

Os casos ocorreram entre 2020 e 2021. Todavia, o homem é suspeito de outros crimes, segundo nota da Polícia Civil. De acordo com a polícia, ele mantinha o hábito de “colecionar imagens” dos abusos.