Ângela Bismarchi ri das polêmicas e comenta conversão: "Acham que virei freira"

Ângela Bismarchi (Foto: Arquivo Pessoal)
Ângela Bismarchi se dedica a sua conversão há 9 anos (Foto: Arquivo Pessoal)

"O Carnaval não é o mesmo sem você", essa é a frase que Ângela Bismarchi diz que mais escuta das pessoas na rua. Uma das principais musas da tradicional festa, a modelo carioca mudou de vida radicalmente. Ela se converteu ao evangelismo em 2016 e se dedica aos estudos da bíblia. Se especializando em Teologia, Ângela explica que se afastou da mídia porque quis, mas não negaria um convite para falar sobre sua vida atual.

"As pessoas acham que eu virei freira, aí não me chamam mais para os programas de TV. Mas se eu for convidada para falar da minha vida, o que estou fazendo, eu vou, faço numa boa. Estou em um momento de preparação para eu também não ficar me enveredando para as coisas, como corpo, mídia, para mim é supérfluo, eu quero coisas mais sólidas", explica.

Longe dos holofotes, Ângela tem se dedicado a uma vida mais tranquila por ter "cansado da exposição". Entre os cuidados de casa e as aulas na faculdade, onde deve concluir o mestrado em Teologia nos próximos dois meses, ela diz que encontrou a felicidade se dedicando a aprender cada vez mais a palavra de Deus, desde sua conversão há 9 anos.

"Minha rotina são os estudos, labuto minha palavra, estou me aperfeiçoando, acho que estou em uma preparação para o que estou aprendendo. Claro, não deixo de treinar, me cuido, organizo minha casa, mas o momento que estou é esse, muito diferente do que eu vivia."

A ex-modelo relembra com carinho as conquistas e tudo que viveu sendo uma das musas do imaginário do brasileiro, mas avisa que não sente falta dessa fase. Hoje ela avalia que as pessoas costumam se iludir com a fama, que é algo passageiro.

Atualmente com 55 anos, Ângela diz que não se arrepende do que viveu, mas mudaria alguns caminhos se tivesse a cabeça e a maturidade que conquistou ao longo dos anos.

Acho que me expus muito, fiz muito nu, capa de revista, saí muito nua no Carnaval, acho que eu mudaria isso, trilharia um caminho diferente deste, mas agora já está feito e registrado. Não importa como você começou, mas vai importar como você vai terminar essa jornada na Terra. Mudei minhas atitudes, minha forma de ser, minhas vestimentas. A vida do cristão é diferente, sou uma mulher completamente diferente daquela Ângela".Ângela Bismarchi

Rainha das Plásticas

Ângela chegou a fazer mais de 30 intervenções cirúrgicas e era chamada de "Rainha das Plásticas". Entre os procedimentos, implantes de próteses de silicone nos seios, rinoplastia, furo no queixo, hidrolipoaspiração na cintura e nos quadris, lipoescultura no bumbum e culotes, aumento do bumbum, reduções dos lábios vaginais, subincisões para celulite nas coxas e implante de preenchimento nas panturrilhas. A polêmica era tanta que ela chegou a criar uma pegadinha no programa "Sensacionalista", do Multishow, em 2011, dizendo que implantaria um terceiro seio, fazendo todo mundo acreditar na cirurgia absurda.

"Essa coisa de implantar terceiro seio nunca existiu, nunca foi real, foi uma pegadinha. Eu era tão polêmica que as pessoas acreditaram que eu iria implantar um terceiro seio. Imagina? Eu não seria feliz com um terceiro seio hoje", relembra, aos risos.

Ângela Bismarchi em desfile da escola Porto da Pedra, no Carnaval de 2007 (Foto: REUTERS/Jorge Silva)
Ângela Bismarchi em desfile da escola Porto da Pedra, no Carnaval de 2007 (Foto: REUTERS/Jorge Silva)

Em 2012, a modelo fez um procedimento polêmico: reconstituiu o hímen antes de se casar com o cirurgião Wagner de Moraes, com quem está há 10 anos. Na época, ela queria dar a virgindade de presente para o novo marido. Hoje, com outra mentalidade, Ângela afirma que continua adepta das intervenções, mas sem exagero.

"Sempre gostei das cirurgias estéticas e não deixei de gostar. Acho que as pessoas têm que se cuidar mesmo, nosso corpo é o templo do Espírito Santo. Não fumo, não bebo, me alimento bem, treino, mas claro que não faço plástica como fazia antes. Para entrar na avenida, tinha que trocar as próteses de mama, tirar uma celulite rápida, hoje em dia não tem essa. Quando quero emagrecer faço uma dieta. Fazer plástica hoje é raro, mas se eu ver necessidade, vou fazer", comenta.

Nesse quesito, as críticas de Ângela são a uniformização dos rostos das mulheres por meio de procedimentos como a harmonização facial.

Midiática e polêmica

Com mais de duas décadas de carreira, a atriz e apresentadora, que também é formada como Técnico de Enfermagem e Design de Moda, colecionou polêmicas na mídia. Em 2000, ganhou os holofotes ao desfilar somente com uma pintura da bandeira do Brasil cobrindo os seios para a escola de samba carioca Porto da Pedra, e quase foi presa por desacato à pátria. Dali em diante, foram diversas capas de revista e programas de TV.

Anos mais tarde, em 2008, ela chegou a fazer uma cirurgia de orientalização dos olhos para representar o papel de Madame Butterfly à frente da bateria da Unidos do Porto da Pedra, com o enredo em homenagem aos 100 anos da imigração japonesa em terras brasileiras.

Essa foi a fase na vida em que as pessoas me esperavam na avenida para ver qual a novidade eu iria mostrar, o que estava aprontando. Uma repórter veio me falar que eu faço falta. Falaram que a irmã do Neymar estava parecida comigo no ano passado, pensaram que eu estava de volta, estão me vendo até onde não estou (risos)".Ângela Bismarchi

Em 2015, Ângela teria gastado R$ 120 mil reais na fantasia que usou como rainha de bateria da Império Serrano, que incluía até um equipamento de voo comprado nos Estados Unidos. Se pudesse voltar no tempo, ela revela que gastaria esse dinheiro de outra forma.

"Foram muitos gastos, tanto ganhei, quanto gastei. Eu ficava muito exposta na mídia e ganhava dinheiro. A fama traz uma agenda, dinheiro, notoriedade, poder. Eu saía bastante com o corpo pintado e não saía tão caro, mas fantasias mais caras foram gastas. Hoje penso que poderia ter investido nos meus estudos. Antes, usava o dinheiro em sapato, roupa de grife, cabelo, fantasia, hoje em dia não penso mais nisso, tenho até muito e não preciso. Invisto em livros, faculdade, no meu conhecimento, em coisas que me edificam".

Ângela Bismarchi (Foto: Arquivo Pessoal)
Ângela tem Bacharelado em Teólogia, Mestrado em Ministério pela CCPP e Doutorado em Ministério pela Facite, além de Bacharel em Design de Moda pela Faculdade Universo em Niterói. (Foto: Arquivo Pessoal)
Ângela Bismarchi (Foto: Arquivo Pessoal)
Ângela atenta em sala de aula (Foto: Arquivo Pessoal)
Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos