Angu do Gomes: conheça a história de um clássico da gastronomia de rua

·1 minuto de leitura
82823995_Rio de Janeiro RJ - 18-08-1979 - Comércio - RJ - Vendedor ambulante - Angu do Gomes - B.jpg

Nos anos 50, carrocinhas com a receita que aquecia corações e estômagos se espalharam pela cidade. A mistura quentinha de mingau de milho, miúdos de boi e outros ingredientes ganhou fama na boemia. Barata e saborosa, conquistou populares e clientes famosos como Tom Jobim, Beth Carvalho, o ex-presidente Juscelino Kubitscheck e João Nogueira – o sambista, aliás, citou a iguaria na letra da música “Espere ó nega”. As carrocinhas saíram de cena, mas o Angu do Gomes, tombado como patrimônio cultural carioca, resiste desde 2008 no cardápio do bar que leva seu nome, em um belo casarão na Praça Mauá. Essas e outras histórias saborosas quem conta é Rigo Duarte, herdeiro de um dos fundadores do negócio, seu avô Basílio Moreira, em novo episódio da série Sabor de história.Assista ao vídeo sobre a trajetória do Angu do Gomes, patrimônio carioca: Café Lamas:portas abertas desde 1874O Rio Gastronomia é uma realização do jornal O GLOBO com apresentação do Senac RJ e do Sesc RJ, patrocínio master do Santander, patrocínio de Naturgy e Stella Artois, apoio do Gosto da Amazônia, Água Pouso Alto e Getnet, e parceria do SindRio.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos