Anistia Internacional acusa Rússia de crimes de guerra na Ucrânia

A Anistia Internacional acusou nesta segunda-feira (domingo, 12, no Brasil) a Rússia de crimes de guerra na Ucrânia, dizendo que centenas de vítimas morreram em incessantes ataques em Kharkiv, muitos deles realizados com bombas de fragmentação.

Após uma investigação, a ONG de defesa dos direitos humanos afirma ter encontrado evidências de que em sete ataques a bairros da segunda cidade da Ucrânia, no nordeste do país, as forças russas usaram bombas de fragmentação do tipo N210 e 9N235 e minas de fragmentação, duas categorias proibidas por tratados internacionais.

Intitulado "Todo mundo pode morrer a qualquer momento", o relatório mostra como as forças russas mataram e causaram imensos danos ao bombardear bairros residenciais em Kharkiv desde o início da invasão da Ucrânia em 24 de fevereiro.

“As pessoas morreram em suas casas, nas ruas, em parques e em cemitérios, quando faziam fila para obter ajuda humanitária ou para comprar alimentos ou remédios”, diz Donatella Rovera, pesquisadora de situações de crise e conflito na sede da Anistia.

"A reiterada utilização de armas (...) proibidas é chocante e mostra um verdadeiro desrespeito pela vida dos civis", acrescenta.

Embora a Rússia não tenha assinado a convenção sobre munições de fragmentação nem a de minas antipessoais, o direito internacional humanitário proíbe ataques e o uso de armas que atacam indiscriminadamente e constituem um crime de guerra, destaca o relatório.

A justiça ucraniana iniciou mais de 12 mil investigações por crimes de guerra desde o início da invasão russa, de acordo com a procuradoria.

A Anistia Internacional investiga 41 bombardeios que deixaram um total de ao menos 62 mortos e 196 feridos. Foram entrevistadas 160 pessoas em Kharkiv em abril e maio, incluindo sobreviventes de ataques, parentes de vítimas e testemunhas.

bfi/ant/rbj/mj/me/mb/ic

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos