ANJ repudia ataques de Augusto Aras à jornalista Míriam Leitão

A Associação Nacional de Jornais (ANJ) divulgou uma nota de repúdio nesta terça-feira aos ataques do procurador-geral da República, Augusto Aras, à jornalista e colunista de O Globo Míriam Leitão. No comunicado, a instituição afirmou que as ofensas são ainda mais graves "quando partem de uma autoridade que deveria zelar pela proteção legal à imprensa".

Leia mais: Senado aprova intervenção no DF: 'Minoria golpista não irá impor sua vontade por meio da barbárie', diz Pacheco

Saiba: Ministro da Justiça diz que serão feitos 50 novos pedidos de prisão

"O caráter ofensivo das manifestações se torna ainda mais grave quando partem de uma autoridade que deveria zelar pela proteção legal à imprensa e, ao mesmo tempo, defender o respeito às mulheres jornalistas, que têm sido as mais agredidas no Brasil nos últimos anos. Por fim, a ANJ reafirma sua solidariedade ao jornal O Globo e à Míriam Leitão, vencedora do Prêmio ANJ de Liberdade de Imprensa em 2017, exatamente em razão de sua postura permanente em defesa dos valores e princípios que norteiam o melhor jornalismo", diz o texto.

O ataque do procurador-geral à jornalista aconteceu durante uma entrevista ao programa Fato & Opinião, da BNews TV, nesta segunda-feira, em que afirmou que a jornalista parece ter um "fetiche" por ele.

"Essa senhora parece que tem um fetiche comigo, talvez porque eu não tenha atendido às matérias seletivas para ela e à família dela. Essa senhora foi cortada da seletividade que tinha na Operação Lava Jato. E, provavelmente, o jornal dela, ganhou mais dinheiro do que com a novela das 8", falou Augusto Aras.

Em nota, a Comunicação da Globo também repudiou as declarações de Aras.

" É assustador que alguém que ocupa o cargo mais elevado do Ministério Público, guardião maior da lei, ofenda a honra de uma das profissionais mais brilhantes e corretas do jornalismo brasileiro. E de um jornal com um extenso histórico de serviços prestados à democracia brasileira. Ninguém é imune a críticas - nem jornalistas nem autoridades. Mas ninguém, no Estado Democrático de Direito, pode ofender de maneira tão vil como fez o Procurador-Geral. A ofensa de Aras certamente diz mais sobre ele do que sobre Míriam e O Globo", diz o texto.