Anna Kendrick se inspirou em trauma pessoal para interpretar sobrevivente de abuso

Anna Kendrick na abertura de gala do Academy Museum of Motion Pictures em setembro de 2021 em Los Angeles, Califórnia. (Foto: Valerie Macon//AFP via Getty Images)
Anna Kendrick na abertura de gala do Academy Museum of Motion Pictures em setembro de 2021 em Los Angeles, Califórnia. (Foto: Valerie Macon//AFP via Getty Images)

A atriz Anna Kendrick, de 37 anos, revelou que se inspirou em uma experiência pessoal de abuso emocional e psicológico para interpretar sua personagem em "Alice, Darling", novo filme da diretora Mary Nighy (“Industry”). Durante a estreia mundial do longa no Festival Internacional de Cinema de Toronto, a artista contou como as filmagens ajudaram a lidar com o próprio trauma.

Sobre a trama

A estrela da trilogia "A Escolha Perfeita" interpreta a protagonista Alice Davis no projeto. Na trama escrita pela roteirista Alanna Francis, ela é uma mulher que está presa em um relacionamento emocionalmente abusivo com seu namorado de sucesso, Simon (Charlie Carrick).

Em entrevista à revista “People”, a atriz contou que quando leu o roteiro pela primeira vez, estava saindo de uma experiência pessoal com abuso emocional e abuso psicológico. “Acho que meu representante enviou para mim justamente porque ele sabia com o que eu estava lidando. Ele me disse: 'isso meio que fala com tudo o que você está falando comigo'", explicou.

"Eu estava em uma situação em que eu amava e confiava nessa pessoa mais do que confiava em mim mesma. Meu corpo ainda acredita que foi minha culpa", lamentou a atriz. De acordo com Kendrick, foi necessário tirar um período para analisar "o que realmente aconteceu" em seu relacionamento, situação descrita como "a tarefa mais difícil" de sua vida adulta.

“Foi muito diferente porque eu tinha, francamente, visto muitos filmes sobre relacionamentos abusivos ou tóxicos, e realmente não parecia o que estava acontecendo comigo”, acrescentou Anna. “Isso meio que me ajudou a normalizar e minimizar o que estava acontecendo comigo, porque pensei: 'Bem, se eu estivesse em um relacionamento abusivo, seria assim.'”

Ela relata que chegou a acreditar em seu parceiro quando ouviu que tinha “senso distorcido de realidade”. “Sua vida fica muito confusa muito rapidamente. E eu estava em uma situação em que, no final, tive a experiência única de descobrir que tudo o que eu achava que estava acontecendo estava de fato acontecendo”, compartilhou. “Então eu tive esse tipo de trampolim para sentir e me recuperar, que muitas pessoas não conseguem.”

Durante as filmagens de "Alice, Darling" ela conversou com Nighy sobre sua experiência pessoal e recebeu todo o apoio necessário da cineasta. "Eu até disse a ela: ‘Isso tudo aconteceu muito recentemente. Na verdade, aconteceu tão recentemente que, se o filme estivesse rodando em um mês, eu provavelmente não deveria fazê-lo'”, disse Kendrick. No fim, gravar o filme acabou sendo uma experiência “incrivelmente catártica” e “terapêutica” para ela.