Antes de votação, Baleia defende independência da Câmara e regulamentação do orçamento impositivo

·2 minuto de leitura
Eleição na Câmara dos Deputados

BRASÍLIA (Reuters) - O candidato à presidência da Câmara dos Deputados Baleia Rossi (MDB-SP) argumentou nesta segunda-feira que postula o cargo para fortalecer a independência a Casa, e, ao apontar ameaças do governo para que colegas não declarassem votos em sua candidatura, prometeu regulamentar o orçamento impositivo.

Baleia lembrou que a "frente ampla" construída em torno de sua candidatura une partidos muito distintos da esquerda e da direita para reafirmar a necessidade de reforço das instituições democráticas. Defendeu também, de um lado a aprovação da reforma tributária, e, de outro, a votação de uma pauta social.

"Agradeço a todos os que não puderam declarar o voto na nossa candidatura porque foram coagidos, porque foram ameaçados pelo governo", disse Baleia, que, assim como o atual presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e outros deputados, acusa o governo de interferir no processos eleitoral por meio da negociação de cargos e emendas.

Baleia chegou a comentar matérias jornalísticas apontando que o governo teria pedido a parlamentares que gravassem os seus votos.

O candidato aproveitou para rebater o argumento de seu principal adversário, Arthur Lira (PP-AL), segundo o qual a presidência da Câmara estaria contaminada por uma atitude personalista, em detrimento do coletivo.

De quebra, abordou a estratégia adotada pelo Planalto para angariar apoio a Lira.

"Nós queremos um Parlamento igual", disse, citando projeto que regulamenta o orçamento impositivo, que não chegou a ser votado pela Casa.

"Isso sim dá igualdade para os 513 deputados federais. É compromisso, se Deus me der a oportunidade de ser presidente da Câmara dos Deputados, eu assumo o compromisso de regulamentar o orçamento impositivo. Não só voz, mas recursos legítimos, republicanos, no Orçamento, para que todos possam exercer na sua plenitude os seus mandatos", declarou.

Baleia disse ainda que sua candidatura representa a ideia de independência com diálogo com os demais Poderes, mas "nunca ficar de joelhos".

Ao afirmar que uma das prioridades, caso eleito, será a reforma tributária, garantiu também que a Casa irá votar a pauta social e de enfrentamento à pandemia.

"Que país é esse, que não se sensibiliza com 220 mil mortes?", disse, em referência às vitimas da COvid-19.

Agradeceu, também os partidos que o apoiam. Nos últimos dias, Baleia e Maia viram a frente de sustentação da candidatura se deteriorar. O DEM, partido do próprio Maia, desembarcou do bloco de Baleia e, segundo fonte, tem maioria favorável a Lira. Mas para efeitos formais, manteve-se independente e não ingressou no bloco do candidato do governo.

(Reportagem de Maria Carolina Marcello)