Antibiótico é o medicamento que mais falta em SP, dizem farmacêuticos

*ARQUIVO* SAO PAULO, SP, BRASIL. 15.04.2020 - COVID 19 -  UltraFarma do Jabaquara. A Abrafarma criou uma cartilha sobre como as farmácias devem atender os clientes para evitar contágio. Mascaras de proteção para os funcionarios, como oferecer álcool em gel logo na entrada, facil acesso de antigripais, limpeza de gondolas.  (foto: Rubens Cavallari/Folhapress)
*ARQUIVO* SAO PAULO, SP, BRASIL. 15.04.2020 - COVID 19 - UltraFarma do Jabaquara. A Abrafarma criou uma cartilha sobre como as farmácias devem atender os clientes para evitar contágio. Mascaras de proteção para os funcionarios, como oferecer álcool em gel logo na entrada, facil acesso de antigripais, limpeza de gondolas. (foto: Rubens Cavallari/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Pela segunda vez em menos de três meses, a professora Ana Elisa dos Santos, 36, tem enfrentado, sem sucesso, uma busca em quase uma dezena de farmácias atrás de antibióticos para os filhos. O país vive um apagão de medicamentos e insumos médicos.

Uma pesquisa feita pelo CRF-SP (Conselho Regional de Farmácia de São Paulo) identificou que os antibióticos estão entre os medicamentos com maior escassez no mercado. Remédios simples e classificados como essenciais, como amoxicilina e azitromicina, são os que mais faltam nas farmácias paulistas.

Segundo o levantamento, feito com 1.152 farmacêuticos de todas as regiões do estado, 98,5% dos profissionais disseram sofrer com o desabastecimento de remédios. Entre as categorias que mais relatam ter dificuldade de comprar estão os antibióticos (93,5%), mucolíticos (76,5%), antialérgicos (68,6%) e analgésicos (60,5%).

A pesquisa foi feita, de forma online, entre os dias 19 e 30 de maio deste ano. No entanto, o conselho diz que o desabastecimento persiste, sem perspectiva de ações que solucionem o problema.

É a situação que Ana Elisa tem enfrentado pela segunda vez. No início de maio, o filho mais novo de 5 anos teve uma otite e precisou tomar azitromicina. Ela demorou quatro dias para encontrar o remédio.

Agora, percorre as farmácias novamente atrás do mesmo medicamento para o filho mais velho, de 7 anos, que está com faringite. "Na primeira vez, achei que fosse uma falta esporádica pela entrada do outono e aumento das doenças respiratórias em crianças. Estou chocada em saber que o problema continua."

Outra pesquisa, feita pelo CFF (Conselho Federal de Farmácia), também identificou que 97,4% dos profissionais da área da saúde tiveram problemas com o desabastecimento de remédios imprescindíveis.

O levantamento foi realizado entre 21 e 26 de junho deste ano com 883 médicos, farmacêuticos, enfermeiros e administradores de unidades de saúde de todas as unidades da Federação.

"Há meses estamos pedindo soluções para o problema e nada muda. Também não há previsão de mudança a curto prazo. Enquanto isso, a população vive uma situação sem precedentes de falta de remédios essenciais", diz Luciana Canetto, vice-presidente do CRF-SP.

Os remédios que estão em falta nas farmácias e unidades de saúde do país estão listados na Rename (Relação Nacional de Medicamentos Essenciais), feita pelo Ministério da Saúde.

Um levantamento feito pelo Sindhosp (Sindicato dos Hospitais de São Paulo) entre os dias 1 e 14 de julho também identificou que os maiores problemas enfrentados pelas unidades nesse momento são a falta e o aumento de preço dos medicamentos.

Dos 67 hospitais ouvidos, 51% disseram ter dificuldades para lidar com o aumento de preço dos remédios e 19% com a falta deles. O desabastecimento afeta até mesmo a realização de exames, já que 13,3% disse estar com estoque baixo de meios de contraste para exames radiológicos. Também relatam falta de insumos básicos, como soro.

Outra pesquisa também mostra a extensão do problema por todo o país. Segundo a CNM (Confederação Nacional de Municípios), 80% das prefeituras relataram sofrer com o desabastecimento de remédios. Dos que enfrentam a situação, 64,4% disseram que a falta persiste há mais de 30 dias.

Dos 2.649 municípios, 68% disseram que a maior dificuldade tem sido para comprar antibióticos e 65,6% para encontrar dipirona.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos