Antigo cemitério de negros escravizados, Largo de Santa Rita passará por obras de urbanização a partir desta segunda

·1 minuto de leitura

RIO — Na próxima segunda-feira, dia 17, às 19h30, o VLT Carioca dará início às obras de urbanização em referência à memória afro-brasileira do Largo de Santa Rita, no Centro do Rio. A região ficou marcada durante as obras da Linha 3 do VLT, quando foram encontrados vestígios de um antigo cemitério de negros escravizados. Apesar de alterações definitivas no tráfego e no estacionamento, a circulação do VLT não será alterada. A previsão é que as obras sejam finalizadas até o mês de outubro.

O acesso dos veículos que vão da Rua Mayrink Veiga para o largo e para a Rua Visconde de Inhaúma será fechado definitivamente. O único acesso será pela Rua Alcântara Machado, sem saída. A Mayrink Veiga também passará a ter restrição de estacionamento, com acesso limitado para carga e descarga.

Marcações no piso e totens com informações históricas do local fazem parte do projeto. Ao longo do trecho, paradas do VLT já são batizadas com nomes que remetem à História africana, como Cristiano Ottoni-Pequena África, Camerino-Rosas Negras e Santa Rita-Pretos Novos.

As ações são fruto de um grupo de trabalho montado durante o período de implantação, que contou com representantes do movimento negro e da sociedade civil, do Iphan — Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional — do IRPH — Instituto Rio Patrimônio da Humanidade — da Cdurp — Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto — do Ministério Público e do VLT Carioca.