Antigo reduto jihadista na Síria, bairro vira cenário de filme produzido por Jackie Chan

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Hajar al Aswad, um bairro “fantasma” próximo à capital da Síria, de onde jihadistas foram desalojados em 2018, voltou à vida como cenário de um filme de ação produzido pelo ator Jackie Chan. “Home Operation”, cujo roteiro se passa em um país fictício chamado “Poman”, é inspirado na evacuação realizada pela China, em 2015, de centenas de cidadãos chineses e estrangeiros, a bordo de barcos da marinha chinesa, de um Iêmen devastado pela guerra.

ONU: confrontos recentes no Haiti deixaram 234 mortos ou feridos

Guerra na Ucrânia: sobreviventes relatam medo após novos ataques: 'Estamos vivos, é um bom dia'

Naquele momento, Pequim se vangloriou do sucesso da operação, destacando seu papel humanitário e sua crescente influência mundial. O Iêmen, país mais pobre da península arábica e ainda dilacerado pela guerra, é considerado perigoso demais, e algumas cenas do longa-metragem, que é coproduzido pelos Emirados Árabes, são filmadas na Síria.

Uma equipe diversificada de atores, em traje tradicional iemenita, figurantes sírios e membros da equipe chinesa de filmagem estão no antigo reduto jihadista desde a quinta-feira para uma gravação que levará vários dias.

Jackie Chan, por sua vez, não viajará à Síria para participar das filmagens, mas é o principal produtor do longa, cuja sinopse enaltece o papel das autoridades chinesas em uma evacuação tida como heroica. O próprio diretor Yinxi Song confirma a intenção laudatória do filme.

— Colocamo-nos na pele dos diplomatas membros do Partido Comunista, que desafiaram uma chuva de balas em um país devastado pela guerra e levaram todos os compatriotas chineses em uma embarcação de guerra, sãos e salvos — explicou à imprensa, enquanto sua equipe se instalava em Hajar al Aswad, e os tanques tomavam posição para a gravação.

O embaixador da China, um dos poucos países a manter boas relações diplomáticas com o regime do presidente sírio Bashar al Assad desde o início da guerra civil no país árabe, em 2011, esteve presente na inauguração do set de filmagem, em uma pequena cerimônia realizada na quinta-feira.

Estúdio de baixo custo

Hajar al Aswad foi um subúrbio densamente povoado, ao sul de Damasco, perto do acampamento de refugiados palestinos de Yarmuk. As duas áreas foram palco de intensos combates durante a guerra e estavam controladas, ao menos parcialmente, pelo grupo jihadista Estado Islâmico.

A reconquista de ambos os bairros por parte das forças pró-governo sírio, em maio de 2018, consagrou o domínio do regime sobre toda a região metropolitana de Damasco. Contudo, seções inteiras de Hajar al Aswad foram completamente arrasadas, convertendo o local em uma selva de edifícios “cinzentos e sem alma”.

Alguns moradores retornaram para áreas menos destruídas do bairro, deixando o restante completamente desabitado.

— As áreas devastadas pela guerra se transformaram em estúdio. Essas áreas atraem os produtores de filmes — explicou o codiretor Rawad Chahine, que integra a equipe síria de filmagem. — Construir estúdios similares a esses locais custa muito caro, por isso são considerados estúdios de baixo custo.

União Europeia: entidade debaterá endurecimento de sanções contra a Rússia

Desde 2011, a Síria tem atraído muitas produções estrangeiras, principalmente de Rússia e Irã, dois países aliados do regime sírio. A equipe de filmagem de “Home Operation” fará gravações em diversas partes do país.

A Síria, no entanto, permanece submetida a uma série de sanções internacionais. Além disso, há minas antipessoais espalhadas por todo o país, que, segundo a ONU, é o mais afetado do mundo por esses artefatos explosivos.

Desde que o conflito sírio teve início, em 2011, mais de 500 mil pessoas morreram e milhões tiveram que deixar suas casas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos