Anvisa se encontra no alvo de ativismo político violento, diz agência após fala de Bolsonaro

·3 min de leitura
Presidente da Anvisa em sessão no Senado

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) -A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) afirmou nesta sexta-feira que se encontra no alvo do "ativismo político violento", em nota divulgada após declarações do presidente Jair Bolsonaro feitas na véspera em sua live semanal depois que a agência autorizou a aplicação da vacina contra Covid-19 da Pfizer em crianças de 5 a 11 anos.

"Em outubro do corrente ano, após seus dirigentes e seu corpo funcional sofrerem ameaças de morte e de toda a sorte de atos criminosos por parte de agentes antivacina, no escopo da vacinação para crianças, esta Agência Nacional se encontra no foco e no alvo do ativismo político violento", disse a Anvisa no comunicado subscrito por toda a diretoria.

Na live, Bolsonaro havia afirmado que iria pedir os nomes dos integrantes da Anvisa que aprovaram a indicação da vacina pediátrica contra a Covid-19 da Pfizer para que fossem divulgados publicamente.

O presidente, que questiona a efetividade dos imunizantes contra Covid-19 em geral, afirma que ainda não se vacinou e critica a obrigatoriedade da imunização e o chamado passaporte da vacina.

"Eu pedi extraoficialmente o nome das pessoas que aprovaram a vacina para crianças a partir de 5 anos", disse o presidente na tradicional transmissão ao vivo nas redes sociais.

A agência destacou na nota que é avessa a pressões externas.

"A Anvisa, órgão do Estado Brasileiro, vem a público informar que seu ambiente de trabalho é isento de pressões internas e avesso a pressões externas", disse.

"O serviço público aqui realizado, no que se refere à análise vacinal, é pautado na ciência e oferece ao Ministério da Saúde, o gestor do Plano Nacional de Imunização (PNI), opções seguras, eficazes e de qualidade", acrescentou.

A agência afirmou ainda que é líder de transparência em atos administrativos e todas as suas resoluções estão direta ou indiretamente atreladas ao nome de todos os nossos servidores, de um modo ou de outro.

"A Anvisa está sempre pronta a atender demandas por informações, mas repudia e repele com veemência qualquer ameaça, explícita ou velada, que venha constranger, intimidar ou comprometer o livre exercício das atividades regulatórias e o sustento de nossas vidas e famílias: o nosso trabalho, que é proteger a saúde do cidadão", reforçou.

Na manhã desta sexta, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou que não é consensual a vacinação contra Covid-19 em crianças, e destacou que a pasta quer discutir o assunto de maneira aprofundada.

Mesmo com aval da Anvisa, cabe ao governo federal fazer a compra das vacinas pediátricas contra Covid e decidir sobre sua inclusão no Programa Nacional de Imunização (PNI). Segundo Queiroga, essa questão será analisada pela área técnica e o ministro é a última instância do ministério.

"As análises do ministério, nós também vamos passar para vocês um cronograma, para a sociedade brasileira, todos os ´steps´, todos os degraus", disse.

Em entrevista coletiva nesta sexta-feira para falar sobre um estudo referente a doses de reforço, Queiroga foi questionado novamente sobre vacinação pediátrica e não quis responder.

O Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) manifestou apoio à decisão da Anvisa e destacou que o imunizante da Pfizer já foi aprovado para crianças pela agência europeia EMA e pela agência norte-americana FDA, entre diversos outros países.

"É importante destacar o alerta da Organização Mundial da Saúde (OMS), que aponta que o público entre 05 e 14 anos é o mais afetado pela nova onda de Covid-19 na Europa e, apesar do menor risco em relação a outras faixas etárias, nenhuma outra doença imunoprevenível causou tantos óbitos em crianças e adolescentes no Brasil em 2021 como a Covid-19. A pandemia ainda não acabou e a completa vacinação de toda a população brasileira é urgente", disse o presidente do Conass, Carlos Lula, em nota.

(Edição de Pedro Fonseca)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos