Anvisa autoriza Remdesivir para crianças no tratamento de Covid

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou nesta terça-feira o uso do medicamento antiviral Remdesivir para crianças no tratamento da Covid-19. Desde março de 2021 o medicamento tem autorização para ser usado no tratamento de pacientes com Covid-19 que estejam hospitalizados. Trata-se do primeiro remédio aprovado oficialmente para o tratamento da doença.

Com a nova autorização da Anvisa, o Remdesivir pode ser usado por bebês e crianças a partir de 28 dias e com peso igual ou superior a 3 kg. O paciente precisa apresentar um quadro de pneumonia com necessidade de administração suplementar de oxigênio .

Crianças pesando até 40 kg e que não requerem administração suplementar de oxigênio, mas que apresentam risco aumentado de progredir para um quadro grave da doença também podem usar o medicamento.

O que é o Remdesivir?

É um medicamento antiviral desenvolvido inicialmente para o tratamento do Ebola, mas que se mostrou ineficaz nesses casos. A droga, no entanto, apresentou bons resultados no tratamento de coronavírus causadores da SARS e MERS em ensaios com animais e, por isso, passou a ser testada no tratamento de pacientes com Covid-19. Trata-se de um medicamento aplicado na veia do paciente e que age, teoricamente, diminuindo a replicação viral;

Desde abril de 2020, o Remdesivir vinha sendo visto como a droga mais promissora para o tratamento da Covid-19 e foi incluída junto com mais três outros medicamentos em um estudo internacional chamado Solidarity Trial;

Em outubro, no entanto, a Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou os resultados preliminares do estudo, que apontaram que nenhum dos medicamentos reduziram significativamente a morte ou tempo de internação, o que levou o órgão a desaconselhar o uso para o tratamento da doença;

Desde o início da pandemia, o Remdesivir teve seu uso aprovado ou autorizado de forma condicional para tratamento de Covid-19 em mais de 50 nações;

Países como Taiwan, Japão, Israel e da União Europeia passaram a usar a medicação entre os meses de maio e junho do ano passado. Em julho, a agência europeia de medicamentos aprovou o uso emergencial da droga para pacientes graves;

No Brasil, o Remdesivir vinha sendo estudado desde junho de 2020, quando a Anvisa autorizou estudo clínico em pacientes hospitalizados graves. A autorização de uso, até aqui, era para pacientes acima de 12 anos e mais de 40 quilos que apresentem pneumonia causada pelo coronavírus e necessitem de suplementação extra de oxigênio.