Anvisa identifica 146 casos de Covid em dois cruzeiros marítimos

·2 min de leitura
*ARQUIVO* ILHABELA, SP, BRASIL, 21.12.2016 -  Navio de Cruzeiro Costa Fascinosa ancorado na baia de Ilhabela, no litoral norte do estado de São Paulo. Cidades do litoral paulista querem dar descontos nas tarifas para navios atracarem em seus portos na tentativa de atrair o movimento de cruzeiros, que teve queda significativa neste verão.  (Foto: Moacyr Lopes Junior/Folhapress)
*ARQUIVO* ILHABELA, SP, BRASIL, 21.12.2016 - Navio de Cruzeiro Costa Fascinosa ancorado na baia de Ilhabela, no litoral norte do estado de São Paulo. Cidades do litoral paulista querem dar descontos nas tarifas para navios atracarem em seus portos na tentativa de atrair o movimento de cruzeiros, que teve queda significativa neste verão. (Foto: Moacyr Lopes Junior/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) informou que houve a identificação de 146 casos de Covid em dois navios de cruzeiros marítimos.

Os cruzeiros voltaram a navegar em 1° de novembro no Brasil após uma portaria do governo federal. Após essa autorização, a Anvisa aprovou um protocolo sanitário para a retomada das atividades.

Um dos navios atracou no porto de Santos (SP) para que 132 pessoas desembarcassem nesta quarta-feira (29). Fazem parte desse grupo 78 pessoas com casos confirmados da doença e 54 que tiveram contato com os casos positivos.

O desembarque ocorreu após o aumento do número de casos de Covid --apenas entre os tripulantes foram observados em 51.

A agência reguladora informou que o navio leva cerca de 4.000 pessoas a bordo. Até esta quinta-feira (30) não estão autorizados novos desembarques ou embarques e o navio deve permanecer atracado até a finalização da análise dos dados epidemiológicos.

Já o outro navio atracou no porto de Salvador. Foram confirmados 68 casos de Covid-19, sendo 56 entre tripulantes e 12 entre passageiros. No momento, encontram-se embarcados 3.836 viajantes e ninguém teve autorização para desembarcar.

"A Anvisa adotará as medidas previstas nos normativos vigentes, que podem incluir a necessidade de quarentena ou mesmo de suspensão das atividades", disse a agência em nota.

Segundo o protocolo da Anvisa, somente as pessoas que tomaram a vacina contra a Covid-19 podem embarcar no país. São válidas as vacinas que fazem parte do PNI (Programa Nacional de Imunizações) e as que são reconhecidas pela OMS (Organização Mundial da Saúde).

Além da vacinação, o uso de máscara é obrigatório a bordo e em terminais de passageiros. Dentro das embarcações o distanciamento entre os grupos de viajantes deve ser no mínimo de 1,5 metro.

Todos os dias, no mínimo 10% das pessoas que trabalham na embarcação e 10% dos passageiros têm que ser testados. Tripulantes devem ser testados com maior frequência, especialmente aqueles envolvidos em serviços de alimentação e os que possuem contato direto com os passageiros.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos