Anvisa identifica 146 casos de Covid em dois cruzeiros marítimos

·2 min de leitura
O MSC Splendida partiu do Porto de Santos para uma viagem de 7 dias até o Rio de Janeiro, mas retornou para Santos após surto de Covid-19.
O MSC Splendida partiu do Porto de Santos para uma viagem de 7 dias até o Rio de Janeiro, mas retornou para Santos após surto de Covid-19. (Foto: Dmitry Yefremov\TASS via Getty Images)

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) informou que houve a identificação de 146 casos de Covid-19 em dois navios de cruzeiros marítimos. 

Os cruzeiros voltaram a navegar em 1° de novembro no Brasil após uma portaria do governo federal. Após essa autorização, a Anvisa aprovou um protocolo sanitário para a retomada das atividades. 

Um dos navios, o MSC Splendida, atracou no porto de Santos (SP) para que 132 pessoas desembarcassem nesta quarta-feira (29). Fazem parte desse grupo 78 pessoas — 51 tripulantes e 27 passageiros — com casos confirmados da doença, além de 54 que tiveram contato com os casos positivos. 

O MSC Splendida foi proibido pela Anvisa de desembarcar em Balneário Camboriú, em Santa Catarina na terça-feira (28), após a confirmação de casos de Covid-19

A agência reguladora informou que o navio leva cerca de 4.000 pessoas a bordo. Até esta quinta-feira (30) não estão autorizados novos desembarques ou embarques e o navio deve permanecer atracado até a finalização da análise dos dados epidemiológicos.

Já navio Cruzeiro Costa Diadema atracou no porto de Salvador na manhã desta quinta (30). Foram confirmados 68 casos de Covid-19, sendo 56 entre tripulantes e 12 entre passageiros. No momento, encontram-se embarcados 3.836 viajantes e ninguém teve autorização para desembarcar.

Leia também

"A Anvisa adotará as medidas previstas nos normativos vigentes, que podem incluir a necessidade de quarentena ou mesmo de suspensão das atividades", disse a agência em nota. 

Segundo o protocolo da Anvisa, somente as pessoas que tomaram a vacina contra a Covid-19 podem embarcar no país. São válidas as vacinas que fazem parte do PNI (Programa Nacional de Imunizações) e as que são reconhecidas pela OMS (Organização Mundial da Saúde). 

Além da vacinação, o uso de máscara é obrigatório a bordo e em terminais de passageiros. Dentro das embarcações o distanciamento entre os grupos de viajantes deve ser no mínimo de 1,5 metro. 

Todos os dias, no mínimo 10% das pessoas que trabalham na embarcação e 10% dos passageiros têm que ser testados. Tripulantes devem ser testados com maior frequência, especialmente aqueles envolvidos em serviços de alimentação e os que possuem contato direto com os passageiros. 

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos