Anvisa mostra pendência de documentos da CoronaVac; Doria garante que informações foram entregues

Anita Efraim
·2 minuto de leitura
ANKARA, TURKEY - JANUARY 15: Flacons of  CoronaVac vaccine against coronavirus (Covid-19) pandemic are seen after the vaccine was issued "Emergency Use Authorization" in at Ibni Sina Hospital Ankara, Turkey on January 15, 2021. (Photo by Halil Sagirkaya/Anadolu Agency via Getty Images)
CoronaVac já começou a ser utilizada emergencialmente na Turquia (Foto: Halil Sagirkaya/Anadolu Agency via Getty Images)

No próximo domingo, 17, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a Anvisa, fará a análise do pedido de uso emergencial da CoronaVac e da vacina desenvolvida pela AstraZeneca em parceria com a Univerisdade de Oxford. No entanto, segundo o site da agência reguladora, ainda faltam documentos referentes à CoronaVac.

Segundo o site da Anvisa, que mostra o status da documentação, 25,82% dos dados ainda constam como “pendentes de complementação”. O que falta são resultados da “análise interina de desfecho primário do estudo clínico de fase 3 demonstrando, pelo menos, 50% de eficácia, e o critério de sucesso estatístico ser que o limite inferior do intervalo de confiança seja maior que 30%, ou em caso de parâmetros alternativos, que estes tenham sido pré-aprovados pela Anvisa”.

Ou seja, o Butantan ainda precisaria comprovar que a CoronaVac tem eficácia maior que 50%, índice mínimo estabelecido pela agência para que o uso emergencial seja aprovado. A atualização de pendências foi feita às 8h19 desta sexta-feira, 15, dois dias antes da decisão do colegiado.

Segundo a Anvisa, 44,86% dos documentos já foram analisados, enquanto outros 29,32% ainda estão sendo estudados pela agência.

Leia também

Em entrevista à rádio CBN, o governador João Doria (PSDB) afirmou que conversou com Dimas Covas, diretor do Butantan, na última quinta-feira, 14, e soube que toda documentação necessária para a aprovação já havia sido enviada para a Anvisa.

“Todas as informações o Instituto Butantan tem enviado, aliás, sistematicamente. Não é de agora. Toda a documentação já foi entregue. (...). Se existirem informações complementares a serem fornecidas, o Butantan encaminha imediatamente”, disse o tucano.

Em relação à vacina da AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford, 18,38% dos documentos constam como “pendente de complementação”. Outros 36,11% de dados estão em análise, enquanto 45,51% das informações já foram analisadas pela Anvisa.