Anvisa pede inclusão de possível reação adversa na bula da vacina de Oxford

Renata Mariz
·1 minuto de leitura

BRASÍLIA. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) pediu, nesta quarta-feira, que sejam incluídas na bula da vacina da AstraZeneca/Oxford/Fiocruz possíveis ocorrências tromboembólicas com trombocitopenia, que é a diminuição de plaquetas no sangue que ajudam na coagulação. O órgão reafirmou, no entanto, que os casos relatados em alguns países são "muito raros" e manteve a recomendação de uso do imunizante, "uma vez que, até o momento, os benefícios superam os riscos do uso da vacina".

Segundo a Anvisa, no Brasil, com mais de 4 milhões de doses administradas dessa vacina até agora, foram registrados um total de 47 casos suspeitos de eventos adversos tromboembólicos, sendo apenas um associado à trombocitopenia. Os casos foram registrados no sistema utilizado para a notificação de eventos adversos relacionados ao uso de medicamentos e vacinas no país, o Vigimed.

"Até o momento, não foi possível estabelecer uma relação direta e de causalidade entre esses 47 casos suspeitos de eventos tromboembólicos e o uso da vacina no Brasil. Também não foram identificados fatores de risco específicos para a ocorrência do evento adverso", afirmou a agência em nota.

No pedido para inclusão das reações na bula, a Anvisa afirma que "o risco de ocorrência de coágulos sanguíneos é baixíssimo, mas o cidadão deve estar atento aos possíveis sintomas associados (falta de ar, dor no peito, inchaço na perna, dor abdominal persistente, sintomas neurológicos, como dores de cabeça fortes e persistentes ou visão turva, entre outros) para que procure atendimento médico imediato". E destaca: "Reforça-se que a maioria dos efeitos colaterais que ocorrem com o uso da vacina são de natureza leves e transitórios, não permanecendo mais que alguns poucos dias".