Anvisa recebeu consultas sobre possibilidade de exportação de vacinas, diz presidente da agência

Paula Ferreira e Paulo Cappelli
·2 minuto de leitura

BRASÍLIA— O diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antônio Barra, afirmou nesta quinta-feira que a agência recebeu duas consultas a respeito da possibilidade de exportação de vacinas produzidas no Brasil. Segundo ele, um dos documentos solicitava o detalhamento dos procedimentos para exportação de imunizantes e outro relatava a intenção de exportar vacinas.

Nesta quarta-feira, a Anvisa aprovou por unanimidade em sua diretoria colegiada uma restrição para exportação de vacinas e de oxigênio no Brasil. De acordo com a agência, os insumos são estratégicos para o combate à pandemia e só podem ser vendidos para o exterior com autorização da Anvisa.

— Essa semana tivemos dois documentos nesse sentido. Primeiramente fazendo consultas. Gostaria de frisar: consultas. O primeiro documento, um e-mail com consulta de procedimentos regulatórios para exportação e o segundo documento um ofício, esse já dizendo efetivamente de uma intenção de exportação de vacinas. Quanto a oxigênio, não temos. Não temos notícia de exportação de oxigênio nem no campo da intenção — afirmou Barra durante participação em sessão do Senado.

Responsável pela diretoria que cuida da área de vacinas, Meiruze Freitas explicou que uma das solicitações relatava a intenção de exportação de vacinas para países da América Latina.

— A área de portos e aeroportos da Anvisa recebeu questionamento sobre quais seriam os procedimentos para se exportar vacians covid-19. No mesmo dia, a Anvisa recebeu ofício com seguinte informação: parte seria disponibilizada para aquisição do Ministério da Saúde e outra parte podendo ser exportada para países da América Latina, as areas da anvisa preocupadas com essa situação trouxe o tema a diretoria colegiada — afirmou.

A medida de restrição adotada pela Anvisa é temporária e envolve as ações de proteção da saúde pública estabelecidas pela Agência no enfrentamento da pandemia causada pela Covid-19.