Anvisa recomenda restrição de voos da África do Sul e outros 5 países por conta de variante

·2 min de leitura
LONDON, ENGLAND - NOVEMBER 26: International passengers walk through the arrivals area at Terminal 5 at Heathrow Airport on November 26, 2021 in London, England. A heavily-mutated new variant of the Covid-19 virus, currently called B.1.1.529, has been detected in South Africa, Botswana and Hong Kong. The U.K. Health Secretary Sajid Javid said from 12:00 GMT on Friday all flights from South Africa, Namibia, Zimbabwe, Botswana, Lesotho and Eswatini are being suspended and the countries added to the UK's travel Red List. (Photo by Leon Neal/Getty Images)
Diversos países também restringiram fronteiras para evitar entrada de variante. Foto: Leon Neal/Getty Images.
  • Outras nações na lista são Botsuana, Eswatini, Lesoto, Namíbia e Zimbábue

  • Restrição depende de portaria ministerial

  • Variante sul-africana preocupa OMS

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) emitiu uma Nota Técnica que orienta o governo brasileiro a restringir a entrada de viajantes e voos procedentes da África do Sul, Botsuana, Eswatini, Lesoto, Namíbia e Zimbábue, em decorrência a nova variante do SARS-CoV-2 identificada como B.1.1.529.

A efetivação das medidas restritivas ainda depende de uma eventual portaria interministerial editada conjuntamente pela Casa Civil, pelo Ministério da Saúde, pelo Ministério da Infraestrutura e pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública.

Nesta sexta-feira (26), autoridades de diferentes países também optaram por restringir suas fronteiras de forma a impedir a entrada da variante da África do Sul. União Europeia, Reino Unido e Índia estão entre os que anunciam controles de fronteira mais rigorosos enquanto cientistas tentam determinar se a mutação é resistente a vacinas.

O Reino Unido proibiu voos da África do Sul e de países vizinhos e pediu que os viajantes britânicos voltando destes locais entrem em quarentena. A chefe da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse que a UE também pretende deter o tráfego aéreo daquela região.

Preocupação internacional com a variante

A variante sul-africana do coronavírus é a que mais apresentou mutações entre todas as variações do vírus até o momento. Em uma entrevista coletiva, o professor Tulio de Oliveira, diretor do Centro para Resposta Epidêmica e Inovação, na África do Sul, disse que foram localizadas 50 mutações no total, e mais de 30 na proteína spike — "chave" que o vírus usa para entrar nas células e alvo da maioria das vacinas contra a covid-19.

Oliveira, que é brasileiro, disse que a variante carrega uma "constelação incomum de mutações" e é "muito diferente" de outros tipos que já circularam.

"Esta variante nos surpreendeu, ela deu um grande salto na evolução [e traz] muitas mais mutações do que esperávamos", disse ele.

Até agora, foram confirmados 77 casos na Província de Gauteng, na África do Sul; quatro casos em Botswana; e um em Hong Kong, diretamente relacionado a uma viagem à África do Sul.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) deve realizar uma reunião em Genebra às 11h locais nesta sexta. Especialistas discurtirão o risco que a variante apresenta e se ela deveria ser designada como uma variante de interesse ou uma variante preocupante, segundo informou o porta-voz da OMS, Christian Lindmeier.

Até agora, quase 100 sequências da variante já foram registradas, e uma análise inicial mostra que ela tem "um número grande de mutações" que demandam mais estudo, segundo Lindmeier.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos