Anvisa veta uso da vacina CoronaVac em crianças a partir de 3 anos

·1 minuto de leitura
People queue to receive COVID-19 vaccine at Paulista Avenue in Sao Paulo, Brazil on July 25, 2021. Brazil has registered 476 more COVID-19 deaths in the past 24 hours, raising its national death toll to 549,924, the health ministry said on Sunday. Meanwhile, the total caseload rose to 19,688,663 after 18,129 new cases were detected, the ministry said. (Photo by Rahel Patrasso/Xinhua via Getty Images)
People queue to receive COVID-19 vaccine at Paulista Avenue in Sao Paulo, Brazil on July 25, 2021. Brazil has registered 476 more COVID-19 deaths in the past 24 hours, raising its national death toll to 549,924, the health ministry said on Sunday. Meanwhile, the total caseload rose to 19,688,663 after 18,129 new cases were detected, the ministry said. (Photo by Rahel Patrasso/Xinhua via Getty Images)

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária decidiu vetar o uso emergencial da vacina contra a covid-19 Coronavac para crianças e adolescentes entre 3 e 17 anos. O imunizante é produzido pelo Instituto Butantan em parceria com a Sinovac, e está sendo usado de forma emergencial em crianças na China. As informações são do G1.

Segundo a Anvisa, a aplicação do imunizante em crianças e adolescentes poderia colocá-los em risco. Até o momento, a agência afirma que os documentos apresentados dos estudos realizados até o momento não garantem a eficácia e segurança no uso da vacina no grupo pediátrico. 

Na mesma reunião, a agência decidiu manter uso emergencial para adultos. Na votação, a escolha foi feita de forma unânime. 

Leia também:

No Brasil, atualmente a vacina da Pfizer é a única aprovada para maiores de 12 anos. Além disso, o laboratório Janssen recebeu autorização para condução de estudo com menores de 18 no país.

"O que concluímos é que os dados apresentados até o momento são insuficientes para estabelecer o perfil de segurança na população pediátrica. Portanto, a relação de benefício-risco é desfavorável para o uso da vacina nessa população", defendeu Gustavo Mendes, gerente Geral de Medicamentos e Produtos Biológicos (GGMED) da Anvisa.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos