Anwar se torna primeiro-ministro da Malásia, encerrando espera de décadas

Novo primeiro-ministro da Malásia, Anwar Ibrahim, durante cerimônia de posse em Kuala Lumpur, Malásia

Por A. Ananthalakshmi e Mei Mei Chu e Rozanna Latiff

KUALA LUMPUR (Reuters) - Anwar Ibrahim foi empossado como primeiro-ministro da Malásia nesta quinta-feira, encerrando uma jornada política de três décadas que foi de protegido do líder veterano Mahathir Mohamad a líder de protestos, prisioneiro condenado por sodomia e líder da oposição.

Sua nomeação encerra cinco dias de crise pós-eleitoral sem precedentes, mas pode inaugurar uma nova instabilidade com seu rival, o ex-primeiro-ministro Muhyiddin Yassin, desafiando-o a provar sua maioria no Parlamento.

Ambos não conseguiram maioria nas eleições de sábado, mas o monarca constitucional, o rei Al-Sultan Abdullah, nomeou Anwar depois de falar com vários parlamentares.

Anwar assume em um momento desafiador: a economia está desacelerando e o país está dividido depois de uma eleição apertada que colocou a coalizão progressista de Anwar contra a aliança muçulmana de etnia malaia de Muhyiddin.

Anwar, de 75 anos, teve o cargo de primeiro-ministro negado em algumas ocasiões ao longo dos anos: ele foi vice-primeiro-ministro na década de 1990 e primeiro-ministro designado em 2018.

Nesse meio tempo, ele passou quase uma década na prisão por sodomia e corrupção no que ele diz terem sido acusações politicamente motivadas com o objetivo de encerrar sua carreira.

A incerteza sobre a eleição ameaçou prolongar a instabilidade política no país do Sudeste Asiático, que teve três primeiros-ministros em três anos, e corre o risco de atrasar as decisões políticas necessárias para promover a recuperação econômica.

REUTERS TR ES