Ao alcance das mãozinhas: quartos montessorianos facilitam a rotina das crianças

Natália Boere
·2 minuto de leitura

RIO — Quantos quartos infantis você já viu em que a decoração estava na altura dos olhos dos adultos? Ficaram lindos, né? Mas nada divertidos para as crianças... A decoração montessoriana, inspirada nos ensinamentos da educadora italiana Maria Montessori, que prezava pela autonomia dos pequenos, pensa tudo numa escala, digamos, menor: a prioridade é que as coisas estejam ao alcance das mãozinhas deles.

— O interessante do quarto montessori é que as crianças possam aproveitá-lo. Pensamos nas questões funcionais, como uma cama mais baixinha, para elas entrarem e saírem quando quiserem — conta a arquiteta Hana Lerner, moradora da Gávea e queridinha de famosos como Bruno Gagliasso e Giovana Ewbank.

Outro preceito da filosofia montessori, explica Hana (hanalernerarquitetura.com), são os espaços lúdicos, como o cantinho da leitura e o da brincadeira, com uma toca ou um balanço, por exemplo.

— Vejo que os pais estão pensando cada vez mais na perspectiva das crianças quando projetam os quartos. E também desejando que elas percebam que o ambiente foi pensado para elas, com estímulos com os quais elas se identifiquem — afirma a arquiteta.

Joaquim, de 2 anos e meio, já estava virando um “homenzinho”. Então, a dentista Fernanda Miragaya, achou que era hora de abrir mão do quarto de bebê e pôr o filho mais novo para dormir junto com o mais velho, Pedro, de 5 anos. Chamou Hana Lerner para transformar o ambiente num local agradável para as duas crianças.

— Quando solicitamos o projeto, a demanda foi que as coisas estivessem acessíveis e fáceis de serem manuseadas por eles — conta Fernanda, moradora do Flamengo.

Além de uma mesa e camas baixinhas, a arquiteta projetou um escorrega de madeira, uma espécie de biblioteca da altura dos meninos, prateleiras baixas para organizar os jogos e araras para eles pendurarem as fantasias que usam sempre.

—Eles responderam superbem a esses estímulos, aproveitam muito mais. O saco de brinquedos fica no chão, o quarto fica uma bagunça (risos). Mas acho bom eles se virarem dentro daquele espaço, é saudável — destaca Fernanda.