Ao completar dez anos, Rio pode ganhar mais três corredores exclusivos de BRS

·1 minuto de leitura

RIO — Criado há dez anos com a proposta de desafogar os principais corredores viários da cidade, o Bus Rapid Service (BRS) passou os últimos quatro anos em marcha lenta. Desde a implantação da primeira faixa exclusiva para ônibus, em fevereiro de 2011, até o fim de 2016 foram criados 21 corredores.

Na gestão de Marcelo Crivella, apenas um novo trecho saiu do papel: o da Avenida Mem de Sá, no Centro. Além disso, o afrouxamento na fiscalização afetou a eficiência do sistema, gerando, entre outros problemas, o hábito de taxistas e motoristas de aplicativo aguardarem passageiros na faixa da esquerda, afunilando o espaço reservado aos veículos de passeio.

Com o desafio de trazer o projeto de volta aos eixos, a prefeitura já estuda criar três novos corredores: dois na Tijuca e um em Copacabana. Especialistas, no entanto, alertam que antes de expandir é preciso solucionar os problemas atuais.

LEIA A MATÉRIA NA ÍNTEGRa NO JORNAL O GLOBO