Ao desistir de Rafinha, Flamengo se compromete com longo prazo

Diogo Dantas
·2 minuto de leitura

Ao comunicar de forma oficial o encerramento das negociações com o lateral-direito Rafinha, o Flamengo se comprometeu com o longo prazo. Em razão das dificuldades financeiras que se apresentam na temporada 2021, muito por conta da falta de público e patrocinadores durante a pandemia, o clube foi conservador ao negar um investimento que não era urgente no momento, e não se deixou levar pela empolgação de parte da torcida. A principal razão é guardar energia para gastos futuros e necessários.

A nota divulgada deixa claro que o Flamengo entende o lado do atleta ao exigir um salário e bonificações condizentes com a carreira que construiu e a idolatria desenvolvida no próprio clube. Contudo, a parte da diretoria que venceu a queda de braço interna demonstrou bom senso ao preservar o orçamento em um momento delicado.

"Devido ao agravamento da pandemia e as consequentes indefinições financeiras que isto causou, uma possível contratação do jogador, apesar de ser o desejo de toda a diretoria, se mostrou inviável. Qualquer investimento como este, no momento atual, não estaria condizente com a responsabilidade financeira que sempre baseou o trabalho da atual administração rubro-negra", diz trecho da nota do rubro-negro.

Opções e explicações

Com a desistência, o Flamengo terá como opções a Isla os jovens Matheuzinho, que tem agradado bastante, e João Lucas, que seria emprestado ao Cuiabá, mas a diretoria voltou atrás. O também lateral-direito Rodinei voltaria de empréstimo em maio do Inter, mas a intenção é vendê-lo.

A meta de arrrecadação com negociação de atletas em 2021 é R$ 168 milhões. Faltam R$ 90 milhões.

Todos no Flamengo desejavam o retorno de Rafinha. Alguns entendiam que um gasto a mais no momento não faria tanta diferença no curto prazo. Os com visão mais apontada para o futuro pontuaram o tempo todo que não adiantava pensar no agora, mas sim na sustentabilidade financeira dos próximos anos.

“Enquanto se desenrolavam estas negociações, o Flamengo fazia um levantamento interno sobre a disponibilidade financeira para este investimento”, explicou o clube, sobre o trabalho feito em diálogo entre o departamento financeiro e o futebol. Nesse meio de campo, o clube ainda tem pela frente as negociações com duas peças importantes do time titular por uma renovação contratual — os meias Gerson e Arrascaeta.

Após bater o martelo sobre Rafinha, o Flamengo informou aos empresários que não seguirá com a negociação, abrindo brecha para que o jogador converse com outros clubes. O Grêmio e o Atlético-MG se mostraram interessados antes das negociações com o Flamengo.

“Sendo assim, foi com pesar que informamos ao jogador e aos seus representantes que, apesar dos esforços de todos os envolvidos em viabilizar a volta de Rafinha ao Flamengo, não iríamos seguir com as tratativas para se fechar o acordo”, finalizou o o clube.