Ao menos 30 migrantes mortos em naufrágios na Grécia

·3 min de leitura
Migrantes desembarcam de navio da Guarda Costeira após operação na ilha grega de Chios em 26 de outubro de 2021 (AFP/Dimitris Vouchouris)

A Guarda Costeira da Grécia procurava neste sábado (25) os sobreviventes de mais um naufrágio de um barco de migrantes no Mar Egeu, que elevou o balanço de mortos a 30 em menos de uma semana.

Na sexta-feira à noite, as equipes de emergência recuperaram no mar os corpos de 16 migrantes, 12 homens, três mulheres e um bebê, e conseguiu resgatar 63 pessoas após um naufrágio perto da ilha de Paros.

Os sobreviventes afirmam que 80 pessoas estavam a bordo da embarcação, que seguia para a Itália.

A tragédia - a terceira desde quarta-feira - eleva o número de vítimas fatais a 30 em apenas uma semana, no momento em que a atividade de traficantes em águas gregas é a mais intensa em vários meses.

"Aumentou a atividade criminosa dos traficantes indiferentes à vida humana. Eles aglomeram dezenas de pessoas aflitas, sem coletes salva-vidas, em barcos que não cumprem nenhuma norma de segurança", declarou Plakiotakis, ministro grego de Assuntos Marítimos.

Ele afirmou ainda que a Turquia "permite a ação dos traficantes com impunidade".

Três patrulhas da Guarda Costeira, embarcações particulares e um avião de resgate prosseguiam com as buscas no sábado, segundo autoridades, auxiliados por mergulhadores.

Na manhã de sexta-feira, a Guarda Costeira concluiu uma operação para resgatar 90 migrantes que ficaram bloqueados ao norte da ilha grega de Antikythera, depois que o bote em que viajavam sofreu um acidente. Entre os sobreviventes estavam 52 homens, 11 mulheres e 27 crianças.

As autoridades gregas anunciaram que recuperaram 11 cadáveres no mar.

Também informaram que, entre os migrantes, identificaram dois homens suspeitos de serem os traficantes, que foram detidos.

Na sexta-feira, a Guarda Costeira interceptou uma embarcação com 92 pessoas a bordo depois que encalhou na costa da península do Peloponeso. Três supostos traficantes foram detidos.

Na quarta-feira, um bote que transportava migrantes afundou perto da ilha de Folegandros e pelo menos três pessoas morreram. Treze foram resgatadas, mas dezenas (entre 32 e 50, segundo os sobrevivente) permanecem desaparecidas.

- Mais de 2.500 mortos -

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) afirmou que o acidente de Folegandros foi o mais grave no Mar Egeu este ano.

"Este naufrágio é uma recordação dolorosa de que as pessoas continuam embarcando em viagens perigosas em busca de segurança", disse Adriano Silvestri, representante do ACNUR na Grécia.

A imprensa grega destaca o fato de que os naufrágios recentes aconteceram em dias com boas condições meteorológicas.

A ONU calcula que mais de 2.500 pessoas morreram ou desapareceram no mar em sua tentativa de chegar ao continente europeu entre janeiro e novembro.

Quase um milhão de pessoas, principalmente refugiados sírios, chegaram à União Europeia em 2015 depois de passar pelas ilhas gregas perto da Turquia.

A situação no Afeganistão provoca o temor de novas ondas de migrantes no Mediterrâneo.

Atenas acusa Ancara de fechar os olhos para o fluxo de pessoas que tentam entrar na Grécia, ignorando o acordo assinado em março de 2016 que obriga a Turquia a agir para controlar a entrada de migrantes na UE em troca de uma ajuda financeira de bilhões de euros. O governo turco nega as acusações.

nks/mar/zm/aoc/lm/dbh/grp/an/fp

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos