Ao menos 80 pessoas morreram em explosões no aeroporto de Cabul

·2 minuto de leitura
EDITORS NOTE: Graphic content / TOPSHOT - Volunteers and medical staff unload bodies from a pickup truck outside a hospital after two powerful explosions, which killed at least six people, outside the airport in Kabul on August 26, 2021. / AFP / Wakil KOHSAR
Foto: AFP / Wakil KOHSAR
  • Número de vítimas, no entanto, segue incerto

  • 13 militares dos EUA estão entre os mortos

  • A autoria foi reivindicada pelo Estado Islâmico

São 80 mortes confirmadas até agora, sendo 13 de militares norte-americanos, nas explosões que atingiram o aeroporto internacional de Cabul, capital do Afeganistão, nesta quinta-feira (26). O atentado foi orquestrado pelo Estado Islâmico-Khorosan, filial do grupo terrorista que atua no país asiático.

O número de vítimas, no entanto, não é certo. A emissora CNN afirma que há mais de 90 mortos e 150 feridos, segundo informações do ministro da Saúde talibã. A agência de notícias Reuters fala em 85 óbitos, incluindo duas autoridades do Talibã.

Há um estado de alerta para a possibilidade de mais ataques nesta sexta-feira (27) e forças norte-americanas estão em alerta. Ainda assim, os voos de evacuação de estrangeiros e afegãos não pararam ontem e seguem hoje. 

Leia também:

Até quinta-feira (26), cerca de 12,5 mil pessoas foram retiradas do país. Com isso, chegou a 105 mil o número de resgatados do Afeganistão desde o dia 14 de agosto, segundo a Casa Branca.

O atentado

As duas primeiras explosões ocorreram perto do portão Abadia, cuja segurança é feita por agentes dos Estados Unidos. O Estado Islâmico, que assumiu os ataques, é um grupo rival do Talibã.

O atentado foi executado por dois homens-bomba e atiradores, que atacaram civis afegãos que se aglomeravam na entrada do aeroporto para tentar uma vaga em um voo de evacuação, e os soldados norte-americanos que realizavam a triagem.

Zabihullah Mujahid, porta-voz do Talibã, condenou o atentado, e declarou que "o Emirado Islâmico [do Afeganistão] condena veementemente o bombardeio de civis no aeroporto de Cabul, ocorrido em uma área onde as forças dos EUA são responsáveis pela segurança".

O Estado Islâmico-Khorosan (EI-K) é crítico ao acordo de paz assinado entre o Talibã e o EUA, que resultou na retirada de estrangeios do Afeganistão.

Já o presidente norte-americano Joe Biden declarou que não irá perdoar o ataque e vai caçar os responsáveis. "Não vamos perdoar. Não vamos esquecer. Vamos caçá-los para fazer vocês pagarem", e resslatou que "esses terroristas do Estado Islâmico não vão ganhar".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos