'Aos 11, me achava gorda, feia e ódio ao corpo me fazia comer mais'

·7 min de leitura
Marie-Noëlle Hébert
Marie-Noëlle Hébert.

"Sou gorda, mas não sou feia."

Marie-Noëlle Hébert chegou a essa conclusão enquanto escrevia sua história em quadrinhos A gorda feia (em tradução livre do francês). Foi assim que ela chamou a si mesma por muitos anos, desde que se olhou no espelho quando tinha 11 anos de idade.

Seus familiares, amigos e colegas de escola costumavam, muitas vezes sem se dar conta, comentar sobre o corpo de Marie-Noëlle e o que ela comia, o que a fazia se sentir pior.

Em entrevista à BBC News Mundo (o serviço em espanhol da BBC), a desenhista e escritora canadense conta que odiou seu corpo por muitos anos e costumava "empanturrar-se" de batatas fritas toda vez que se sentia triste, o que fazia com que ela se odiasse cada vez mais.

Depois de adulta, Marie-Noëlle decidiu procurar ajuda e deu início a um projeto para compartilhar a sua história e narrar o processo de reconciliação consigo mesma.

Durante esse processo, ela percebeu que, embora muitas pessoas se considerem gordas e feias, na realidade, "ninguém é".

Hébert afirma que A gorda feia é um trabalho pessoal, e que muitos na sua terra-natal — Quebec, no Canadá — se identificaram com ela.

Na sua história em quadrinhos, às vezes grosseira, às vezes cruel, a autora aborda a gordofobia e destrói os preconceitos relacionados à aparência física e aos modelos de beleza.

Confira abaixo a entrevista com a autora.

BBC News Mundo: "Gorda feia"... o que há por trás desse título?

Marie-Noëlle Hébert: É um título que eu escrevia nos meus diários. Eu me definia assim. Era basicamente o meu nome.

Marie-Noëlle Hébert
Marie-Noëlle Hébert

Quando comecei a trabalhar neste projeto, comecei a reler meus diários e encontrei "a gorda feia" escrito por todos os lados. Ficou então quase evidente que este deveria ser o título do livro.

Eu me concentrei nos defeitos da minha pré-adolescência, que se arrastaram até a minha vida adulta.

Inicialmente, meus editores não tinham certeza se deveríamos manter esse título, mas depois decidimos que era o mais adequado.

BBC: O que incentivou você a escrever a história em quadrinhos?

Hébert: Um dia, eu já era adulta e estava em uma reunião familiar, quando meu pai fez um comentário sobre o que eu estava comendo. Ele me disse para comer menos.

Essa frase me incomodou por semanas. Comecei a prestar atenção no que comia e a praticar mais esportes.

Depois me perguntei: por que eu faço isso? Por que fazem comentários sobre o meu corpo? Por que as pessoas me incomodam desse jeito?

Marie-Noëlle Hébert
Marie-Noëlle Hébert

Acabei por pegar meus lápis, meus diários, cadernos velhos, desenhos e fotos. Tratei de recriar a história do meu corpo e ela se tornou uma história em quadrinhos.

BBC: Qual a sua opinião sobre esses tipos de conselhos que costumam ser dados às pessoas acima do peso? Conselhos como o do seu pai, que insinuou que você deveria comer menos, ou como "você deve se vestir de preto porque é mais elegante" ou "você precisa tentar esconder essa parte do seu corpo"?

Hébert: Estes são comentários de outra época, que eram feitos nos anos 1980, mas que hoje não têm cabimento.

Você deve mostrar o corpo se assim o quiser. O importante é sentir-se bem consigo mesmo, sem se importar com o tipo de corpo que você tem.

As pessoas não deveriam mais fazer esse tipo de comentário. É difícil, eu mesma faço de vez em quando sem me dar conta e isso me perturba.

Foto de uma boneca loira e de olhos claros
Para Marie-Noëlle Hébert "a angústia e o sentimento de solidão aumentavam devido às imagens de beleza perfeita que vemos desde a infância: as Barbies, as princesas e as atrizes"

As pessoas nos ensinam essas reflexões e nós as internalizamos. Comentamos constantemente até sobre o corpo das crianças, como elas estão vestidas, etc.

BBC: As pessoas não têm consciência do poder desse tipo de comentários...

Hébert: Com certeza. Quando eu era adolescente, anotava tudo o que me diziam, os comentários que faziam sobre mim, o assédio na escola. Todos esses comentários me afetaram até a idade adulta.

As palavras cruéis permanecem gravadas na cabeça por muito tempo.

Esta foi uma das razões que me incentivaram a criar uma história em quadrinhos, para tirar tudo isso da minha cabeça.

BBC: No seu livro, você descreve como odiava e menosprezava o seu corpo. Quantos anos você tinha quando isso começou?

Hébert: Eu tinha cerca de 11 anos. Foi ali que me dei conta de que era gorda e feia, segundo as pessoas me diziam, e o ódio pelo meu corpo me fazia comer cada vez mais.

Quando estava triste e quando me odiava muito, eu comia batatas fritas compulsivamente.

Ilustração mostra acessórios para cabelos de garotas
"Os comentários cruéis permanecem na cabeça por muito tempo", diz Marie-Noëlle Hébert

BBC: A insatisfação com o físico é um fenômeno comum. O que você aconselha para as milhões de pessoas que menosprezam seus corpos?

Hébert: Esta é uma luta diária. E, para mim, continua sendo, mesmo depois de escrever a história em quadrinhos.

Mas é preciso dizer a si mesmo que não é verdade, que você tem o direito de ser como é e de achar-se bonito(a).

É difícil para mim dar conselhos porque este é um trabalho constante.

O importante é saber que existe no mundo uma grande variedade de corpos.

BBC: Muitas pessoas desejam ter um tipo de corpo determinado: magro, com abdômen perfeito...

Hébert: Elas não desejam só conseguir, mas permanecer assim.

Eu desejei ter um tipo específico de corpo por toda a minha vida, mas não fui feita para isso. Não fui feita para ser uma pessoa magra, embora esse tenha sido meu ideal de beleza desde a infância.

Jovem mulher se olha no espelho
"O importante é encontrar a você mesma e não é preciso um homem nem uma relação para atingir isso", afirma a desenhista e escritora canadense

Insisto que o importante é sentir-se bem com o corpo que você tem.

BBC: Você conta no seu livro que, em alguns momentos, você sentia angústia e solidão. Parecia para você que todas conseguiam namorar, menos você. É uma coisa que muitos de nós sentimos em algum momento. Qual você acredita que tenha sido a origem desse tipo de sentimento?

Hébert: Esse sentimento vem das inseguranças da infância, do ambiente escolar. Era assim em Quebec, mas acontece em todo o mundo.

Quando você é gorda, você é isolada e marginalizada na escola. As pessoas me intimidavam e sempre faziam comentários sobre o meu corpo, na escola e em casa.

E as imagens de beleza perfeita que vemos desde a infância aumentam ainda mais essa angústia e a solidão: as Barbies, as princesas e as atrizes.

Mulher se exercitando
Para Marie-Noëlle Hébert, "é difícil identificar-se como uma pessoa gorda, porque sempre associamos isso à falta de beleza".

Não é normal ter esse tipo de sentimento.

BBC: Você chegou a acreditar que nunca encontraria um namorado, mas você tem um companheiro há anos...

Hébert: Sim. Eu me perguntei se deveria incluí-lo no livro e por fim decidi que não. Eu não queria que as pessoas dissessem: 'oh, você conseguiu seu príncipe encantado'. Não era esse o objetivo.

Eu queria, na verdade, transmitir que o importante é encontrar-se a si mesma e não é preciso um homem nem uma relação para isso.

BBC: Você também chama a atenção para a gordofobia. O que é isso para você?

Hébert: Depois de adulta, não fui vítima de gordofobia, mas apliquei o conceito a mim mesma: eu não queria ser gorda, queria emagrecer.

A gordofobia é o medo de ser gordo, mas também a discriminação contra as pessoas gordas, não fazendo roupas para que elas fiquem bem vestidas.

Existem muitos tipos de gordofobia, mas o principal é a gordofobia interiorizada desde a infância.

Ainda me acontece. Há dias em que quero praticar esportes para emagrecer, embora o mais importante para mim seja fazê-lo para ficar bem física e mentalmente.

Não se deve praticar esportes para emagrecer, pois isso pode converter-se em uma obsessão.

BBC: E como você percebeu que não é uma gorda feia?

Hébert: Com a minha história em quadrinhos. Eu não sabia que me odiava a esse ponto. Mas, depois de fazer a história em quadrinhos e perceber todo o desprezo que tinha de mim mesma e do meu corpo, eu me dei conta que não era normal.

Eu me dei conta que não era uma gorda feia — e que, na verdade, ninguém é.

Você pode achar que é gordo e feio, mas isso não é verdade.

Quando você é gordo, as pessoas colocam isso na sua cabeça desde a infância.

É difícil observar-se como uma pessoa perfeita. Eu sou gorda, mas não sou feia. É difícil identificar-se como uma pessoa gorda, pois sempre associamos isso à falta de beleza.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos