Aos 65 anos, Raul Gazolla fala dos quatro infartos: 'Quase morri no aeroporto'

Extra
·2 minuto de leitura

No ar na reprise de "A força do querer", Raul Gazolla relembrou os quatro infartos que sofreu nos últimos 11 anos e que quase o levaram a morte. O ator, de 65 anos, bateu um papo sobre superação com a filha Rani, de 18, no Instagram, e contou da descoberta do diagnóstico cardíaco mesmo tendo uma vida saudável.

"Infartei com 54 anos pela primeira vez. Sempre fui atleta amador, sempre pratiquei esportes, e quando eu enfartei, fiquei muito impressionado, pois o médico achava que eu tinha tomada alguma droga para ter ido parar no hospital", conta ele, informando que dois dias após sua internação, os médicos detectaram o problema no coração do ator.

Gazolla diz que começou a treinar jiu jitsu aos 36 anos, após sofrer uma grande perda (o assassinato da mulher Daniela Perez, filha da atriz Gloria Perez), e que chegou a ser campeão mundial do esporte, aos 47. Ele conta que após infartar a primeira vez, aos 54, seguiu o tratamento com remédios e fazendo atividades físicas. Um ano após o primeiro infarto, ele teve o segundo, durante um treino de jiu jitsu. O terceiro e o quarto infartos aconteceram em 2012.

"O médico disse que podia ser hereditário ou por estresse. Comecei a rever minha vida e vi que tive muitos estresses. Só que o médico não disse que eu não podia treinar passando de 180 batimentos cardíacos. Continuei treinando e tive mais três infartos, sem sequelas", conta.

Gazolla disse ainda que a primeira vez que enfartou estava no aeroporto, prestes a entrar no avião e que por pouco não veio a óbito.

"Quase morri no aeroporto. O médico falou que eu podia ter morrido se eu pegasse aquele avião. Não ia dar tempo de eu chegar. Se eu pego o avião, eu ia enfartar dentro do avião e não tinha tempo de ser socorrido e ia falecer. Aí eu falei: 'peraí. Eu ia morrer e não morri? Ah, mas essa terra vai ficar pequena para mim (risos). Aí ei comecei a dar muito mais valor às coisas. As pessoas que enfartam ficam muito deprimidas, porque elas acham que a vida delas acabou. Se eu posso, aos 65 anos, ser um cara saudável, ativo, serei".