Aos 69 anos, primeira-dama dos EUA, Jill Biden, é professora e não pretende deixar o ofício

Extra
·2 minuto de leitura

Um figura ganhou destaque durante a corrida pela presidência dos Estados Unidos. Mulher de Joe Biden, eleito o 46º presidente do país, Jill Biden participou ativamente da campanha do marido e, por exemplo, compareceu a eventos quando ele não pôde estar presente. Ela é a segunda mulher de Biden, casaram-se em 1977, cinco anos após ele ter ficado viúvo de sua primeira mulher. Estão juntos desde então.

Jill tem 69 anos, é doutora em Ciências da Educação e dá aulas em uma universidade da Virgínia. A Casa Branca, aliás, não é exatamente uma novidade para a professora. Joe Biden foi vice-presidente durante o mandato de Barack Obama. Ela, consequentemente, foi vice-primeira-dama no período. Não interrompeu a carreira na ocasião, o que deve se repetir desta vez.

"Se chegarmos à Casa Branca, vou continuar a ensinar. É importante e quero que as pessoas valorizem os professores, saibam suas contribuições e elevem sua profissão", declarou ela, ao jornal CBS Sunday Morining, durante a campanha.

A única vez que Jill fez uma pausa na cerreira profissional foi à época do nascimento de sua primeira filha, em 1981, Ashley.

Biden teve outros dois filhos do primeiro casamento. Os dois sobreviveram ao acidente que matou a primeira mulher e uma das filhas do presidente. Pouco tempo após a tragédia, Joe se tornaria senador pelo estado de Delaware. Tempos depois, conheceu Jill que, por sua vez, tinha receios de se relacionar com um político e ter a vida "sob os olhos" da população.

Anos depois, a situação era outra e Jill passou se envolver mais nas campanhas do marido, que já almejou a presidência do país, por exemplo, em 1988. É conhecida por ter opiniões fortes e dizê-las quando o assunto é a trajetória política do marido.

Em seu livro "Onde a luz entra: construindo uma família e me descobrindo", ela narra um episódio do passado, em que entrou no local onde conselheiros tentavam convencer o marido a concorrer. Ela escreveu as palavra "não" em sua barriga.

Nos últimos anos, com mais experiência, tem participado ativamente de campanhas do marido . É uma conselheira dele.