Aos 89 anos, morre no Rio a atriz Suzana Faini

·2 min de leitura

A atriz e ex-bailarina brasileira Suzana Faini morreu hoje (25) no Rio de Janeiro, aos 89 anos de idade.

Suzana Faini estava internada no Hospital São Lucas,que não revelou a causa da morte. “É com pesar que o Hospital São Lucas Copacabana, na zona sul do Rio de Janeiro, confirma o óbito, hoje (25), da paciente Myrian Suzane Faini. Em virtude da Lei Geral de Proteção de Dados, o hospital não tem autorização para passar informações sobre os pacientes”, diz nota do São Lucas.

Nascida em São Paulo, no dia 9 de março de 1933, Suzana foi casada com o publicitário Lívio Rangan, com quem teve uma filha, Milenka, nascida em 1963. Seus pais eram cantores de ópera e a tia era violinista da Orquestra Sinfônica.

Dos 19 aos 34 anos, foi bailarina profissional. Suzana Faini integrou o elenco de importantes novelas e foi a única atriz que participou das duas versões da novela Selva de Pedra, da Rede Globo. Estreou em telenovelas em 1969, com Rosa Rebelde. No ano seguinte,na novela Irmãos Coragem, teve o desafio de interpretar o papel de Cema, personagem que sofria com uma gravidez complicada.

No teatro, começou no ano de 1971 com a peça Hoje É Dia de Rock, de autoria de José Vicente. Sua carreira foi marcada por trabalhos de grande sucesso na TV, entre os quais as novelas Dancin' Days, Pai Herói e Eu Prometo e as minisséries Chiquinha Gonzaga e Hoje É Dia de Maria. No cinema, alguns destaques foram o filmes O Crime de Zé Bigorna, Eternamente Pagu e A Extorsão, que lhe rendeu o prêmio de melhor atriz coadjuvante no Festival de Cinema de Lages, em 1975. O primeiro filme do qual participou foi Os Paqueras, dirigido por Reginaldo Faria, em 1969.

Seu último papel da televisão foi na novela Espelho da Vida, novela das 6 da Rede Globo, que ficou no ar entre setembro de 2018 e abril de 2019. Suzana interpretou uma guardiã, personagem repleta de mistérios. No cinema, Vidas Partidas e Bodas, foram os últimos filmes com sua participação, os dois de 2016.

Sua atuação no teatro também foi recheada de sucessos, iniciados com A Morte de Danton...Júlia, em 1977, até O Como e o Porquê, de 2017. Entre os prêmios acumulados ao longo da carreira estão o Troféu da Associação Paulista de Críticos de Arte, como melhor atriz coadjuvante, em 1989; Prêmio Cesgranrio de Teatro, em 2014 e 2015, como melhor atriz; Prêmio da Associação de Produtores de Teatro, como melhor atriz protagonista, em 2017.

Não foram dadas informações sobre local de velório e sepultamento.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos