Após 54 dias internada para tratamento da Covid-19, cirurgiã Angelita Habr-Gama tem alta neste domingo

CLAUDIA COLLUCCI
***FOTO DE ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, BRASIL, 31-07-2014: Dra. Angelita h. Gama em sua clinica. A medica coloproctologista, Angelita Habr Gama, recebeu o premio de personalidade em oncologia do Icesp Octavio Frias de Oliveira. (Foto: Fabio Braga/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A cirurgiã Angelita Habr-Gama teve alta nesta domingo (10) após passar 54 dias internada, sendo 50 na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, em São Paulo.

Ela deu entrada na unidade hospitalar no dia 18 de março para o tratamento da Covid-19.

Em nota, o hospital informou que a paciente tem significado especial para todos os profissionais da instituição.

"Dra. Angelita é uma das mais brilhantes cirurgiãs do país e uma profissional reconhecida internacionalmente por sua atuação na área de Coloproctologia e por seu trabalho como pesquisadora", diz trecho do comunicado.

Integrante do corpo clínico do Hospital Alemão Oswaldo Cruz desde 1960, Angelita Gama também é professora titular de cirurgia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP).

"Vê-la curada, depois de uma intensa batalha contra o vírus, renova nossa confiança na medicina, na ciência, na luta para salvar vidas e traz imensa alegria a todo o corpo clínico e assistencial da instituição", disse Marcelo Oliveira Santos, diretor clínico do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.

Primeira mulher titular em cirurgia da USP, a primeira a ser aceita pela sociedade americana de cirurgia e a primeira premiada pela sociedade europeia de cirurgia.

Desde 1952, quando entrou na Faculdade de Medicina da USP, aos 19 anos, Angelita Gama coleciona pioneirismos.