Após ação de Bolsonaro na Petrobras, Paulo Skaf diz que oscilação do mercado deve se normalizar

JOANA CUNHA
·1 minuto de leitura
*ARQUIVO* BRASÍLIA, DF,  16.09.2020 - O presidente da Fiesp, Paulo Skaf, durante evento no Palácio do Planalto. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASÍLIA, DF, 16.09.2020 - O presidente da Fiesp, Paulo Skaf, durante evento no Palácio do Planalto. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Após o movimentado final de semana com a repercussão da intervenção de Bolsonaro na Petrobras, Paulo Skaf disse na reunião de diretoria da Fiesp, na manhã desta segunda-feira (22) que o presidente do país tem prerrogativa de mudar a presidência da estatal. Além do mais, o mandato de Roberto Castello Branco já estava perto de terminar e Bolsonaro decidiu não reconduzir.

Skaf também disse que conhece bem o general Joaquim Silva e Luna e o considera uma pessoa capacitada para o cargo. Sobre as oscilações do mercado, o presidente da Fiesp disse considerar que são normais e, em algum tempo, devem se acalmar.

Um dos principais aliados de Bolsonaro no empresariado, Skaf, foi nomeado na semana passada como integrante do Conselho de República, órgão quem tem o papel de assessorar o presidente em assuntos como intervenção federal, estado de defesa e estado de sítio, além de outros temas ligados à estabilidade das instituições democráticas.