Após abrir em queda, dólar inverte e sobe. Bolsa avança com foco na disputa no Senado dos EUA

O Globo, com agências
·2 minuto de leitura

RIO — O dólar era negociado em leve queda logo após a abertura nesta quarta-feira, mas inverteu o sinal e começou a subir, acompanhando o clima no exterior em meio à perspectiva de vitória democrata na disputa pela última cadeira do Senado dos Estados Unidos. Os investidores também reagem à declaração do presidente Jair Bolsonaro de que o Brasil está “quebrado”.

Pouco depois das 10h, o dólar era negociado a R$ 5,30, em alta de 0,78%. Na mínima, chegou a R$ 5,23. Na véspera, a moeda americana fechou em queda de 0,16%, cotado a R$ 5,26.

Segundo Denilson Alencastro, estrategista-chefe da Geral Asset, além da disputa pelo Senado nos EUA e dos comentários do presidente, a instabilidade no comportamento do dólar reflete “nova preocupação em relação ao coronavírus, que não se resolveu totalmente e, agora, tem nova variante (mais infecciosa)”.

Já a Bolsa subia 0,22%, aos 119.600 pontos. O desempenho também é influenciado pela alta de ações de petroleiras, refletindo o aumento do preço do petróleo. O preço do combustível sobe desde ontem, depois que a Arábia Saudita sinalizou que vai cortar produção.

Um dia após suas declarações, Bolsonaro convocou reunião com ministros, que contará com a participação do titular da Economia, Paulo Guedes. O ministro interrompeu suas férias para participar do encontro no Palácio do Planalto. Ao GLOBO, ele disse que o presidente se referia ao setor público ao afirmar que o país estava quebrado.

Nos EUA, estão em jogo duas cadeiras do Senado, que são representantes da Geórgia. A primeira vaga foi conquistada pelo democrata Raphael Warnock. Se outro democrata leva a segunda o partido do novo presidente Joe Biden vai controlar tanto o Senado como a Câmara.

Na Europa, os mercados acionários operavam no azul, mesmo com medidas mais restritivas em países europeus para conter a alta dos casos de Covid. Em Londres, o FTSE-100 subia 2,86%, enquanto a Bolsa de Paris avançava 0,70% e a de Frankfurt tinha alta de 1,01%.

Na Ásia, o índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, avançou 0,92%, somando 5.417 pontos, enquanto o índice de Xangai teve alta de 0,63%, fechando a a 3.550 pontos. Já Hong Kong fechou com alta de 0,15%.

Já na Bolsa de Tóquio, o índice Nikkei voltou a cair, fechando com baixa de 0,38%, a 27.055 pontos. Em Seul, o índice Kospi teve desvalorização de 0,75%, e a Bolsa de Taiwan recuou 0,11%.