Após adiar reabertura de áreas de lazer da orla, parques da prefeitura têm horário estendido e novas regras

Luiz Ernesto Magalhães
·3 minuto de leitura
Foto: Fabiano Rocha / Agência O Globo

Um dia depois de adiar a reabertura das áreas de lazer da cidade para planejar uma campanha educativa contra aglomerações na orla, a prefeitura abriu nesta sexta-feira o Campo de Santana. O parque, no Centro do Rio, estava fechado há dez meses por conta da pandemia de Covid-19. Antes do novo coronavírus, em média 150 mil pessoas circulavam pela área. Além disso, a partir desta sexta-feira, os outros 37 parques públicos do Rio ganharam mais duas horas de funcionamento pela manhã.

Todos os parques vão funcionar das 6h às 17h — à exceção da segunda-feira quando ficam fechados para manutenção. O prefeito Eduardo Paes justificou:

— Na praia, existe uma situação muito especial. A gente quer fazer na praia uma orientação maior para as pessoas (devido ao risco de aglomerações) a usar o espaço. Tem que ser mais cauteloso, fazer campanha, alertar. Não havia condições adequadas para fazer uma campanha neste fim de semana — afirmou o prefeito.

Paes disse que decidiu reabrir o Campo de Santana (e ampliar horários) em um conjunto de novidades positivas.

— O Butantan anunciou o percentual de eficácia da vacina e o Ministério da Saúde anunciou a compra de doses. A vacina está chegando. Abrir os espaços públicos e ao ar livre é importante para as pessoas terem seu momento de lazer e espairecer. Estamos devolvendo os parques, que estavam muito abandonados — disse Eduardo Paes.

Com a reabertura do Campo de Santana, que teve a presença da banda da Guarda Municipal, que tocou, entre outras músicas, o clássico da bossa nova ''Chega de Saudade'', e a ampliação do funcionamento dos parques, a Secretaria municipal de Meio Ambiente criou uma nova regulamentação para os espaços, publicada nesta sexta-feira no Diário Oficial.

A lotação dos parques vai estar condicionada às informações de classificação de risco por Região Administrativa, com regras divulgadas nesta sexta-feira pela Secretaria municipal de Saúde. A classificação que será divulgada pela SMS seguirá três níveis de Alerta — 1, 2 e 3, conforme indicadores que mostram a evolução da doença por região do Rio de Janeiro. Segundo o prefeito, boa parte da cidade está hoje no nível 1.

No nível 1, não existem restrições quanto à quantidade de pessoas nos parques, respeitada a lotação máxima por área. No nível 2, os parques vão poder abrir com a metade da lotação. Já no nível 3, a lotação será reduzida a um terço e haverá a proibição da entrada de maiores de 60 anos.

Em todos os parques, há regras gerais. Uma delas é uma recomendação para que o público use máscaras e obedeça a um distanciamento social entre um e dois metros (quando for possível). A prefeitura também liberou piqueniques, mas com algumas condições. O máximo de pessoas permitidas será de seis pessoas que morem no mesmo imóvel. E os grupos terão que respeitar uma distância mínima de dois metros entre si.

O secretário municipal de Meio Ambiente, Eduardo Cavaliere, disse que a Guarda Municipal vai orientar os frequentadores quanto às normas, mas reconheceu algumas limitações:

— Não vamos pedir comprovante de residência para aquele que for fazer piquenique prove que todos moram na mesma casa. É uma questão de conscientização — disse.