Após alerta de risco hídrico, secretário de Guedes defende privatização da Eletrobras

·1 minuto de leitura
*ARQUIVO* BRASILIA, DF,  BRASIL,  24-07-2020 - Retrato do Adolfo Sachsida. (Foto: Mateus Bonomi/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASILIA, DF, BRASIL, 24-07-2020 - Retrato do Adolfo Sachsida. (Foto: Mateus Bonomi/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Após o governo emitir alerta de emergência hídrica em cinco estados, o secretário de política econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida, defendeu nesta sexta-feira (28) a privatização da Eletrobras e mudanças nas regras do setor.

"O que esse risco nos mostra? A necessidade de privatizarmos a Eletrobras. A necessidade de melhorarmos os marcos legais de energia. Isso para darmos toda tranquilidade de energia para o população brasileira", declarou o secretário em entrevista à Jovem Pan.

Nesta quinta (27), o comitê responsável pelo monitoramento do setor elétrico (CMSE) se reuniu, em caráter extraordinário, para avaliar a situação do sistema energético e concluiu que a situação é delicada.

Diante disso, deve ser criado um comitê de acompanhamento da crise, com objetivo de monitorar as condições climáticas, o nível dos reservatórios e a oferta de energia, bem como a adoção de medidas para garantir o abastecimento do país.

Apesar dos alertas, Sachsida não citou soluções de curto prazo. O Congresso ainda discute uma proposta para abrir caminho à privatização da Eletrobras. Ainda não há data prevista para a operação.

O secretário argumenta que a desestatização da empresa do setor elétrico será um "ganho de bem estar" à população.

"Ainda mais num cenário de crise hídrica é fundamental privatizarmos a Eletrobras e melhorarmos os marcos legais do setor energético no Brasil", repetiu Sachsida.

Na entrevista, ele fez uma comparação com a privatização da Telebras, o que, segundo o secretário, proporcionou um aumento da oferta no ramo de telecomunicações a um preço mais competitivo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos