Após ameaçar acatar impeachment de Bolsonaro, Maia afirmou nunca ter dito que aceitaria pedido

·1 minuto de leitura
BRASÍLIA, DF, 01.02.2021 - RODRIGO-MAIA - O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, entra no gabinete da presidência da Câmara após presidir sua última reunião de líderes partidários. (Foto: Ranier Bragon/Folhapress)
BRASÍLIA, DF, 01.02.2021 - RODRIGO-MAIA - O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, entra no gabinete da presidência da Câmara após presidir sua última reunião de líderes partidários. (Foto: Ranier Bragon/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta segunda-feira (1º) que nunca afirmou que acataria um dos pedidos de impeachment de Jair Bolsonaro (sem partido).

"Eu nunca disse que ia dar [prosseguimento ao impeachment]. Vocês ficam ouvindo as pessoas e não confirmam comigo", disse o parlamentar. Maia tem ao menos 56 solicitações de afastamento do presidente na sua gaveta.

Como o jornal Folha de S.Paulo revelou na última quinta-feira (28), o presidente da Câmara havia indicado a ao menos três políticos que poderia dar a largada no impeachment. Naquele mesmo dia, Maia negou a intenção.

Neste domingo (31), segundo parlamentares que participaram de reunião na casa de Maia, o deputado foi mais incisivo e disse que instalaria nesta segunda a comissão que avalia se dá prosseguimento ou não ao processo.

Segundo três pessoas próximas ao deputado, Maia ainda afirmou que tem em mãos um parecer jurídico favorável ao processo e que pode ser usado pelo parlamentar para embasar uma eventual decisão nesse sentido.

Baleia disputa nesta segunda-feira a eleição para a presidência da Câmara contra Arthur Lira (PP-AL), apiado por Bolsonaro. Portanto, é o último dia de Maia no comando.