Após atos golpistas, Regina Duarte pede calma, e Gabriela Duarte se opõe à mãe: 'Não me representa'

Regina Duarte e Gabriela Duarte usaram as redes sociais para manifestar opiniões opostas a respeito dos atos golpistas realizados por bolsonaristas radicais em Brasília, no último domingo (8). Na última segunda-feira (9), Regina — que foi secretária de Cultura, por dois meses e meio, no governo Bolsonaro — pediu "calma" aos seguidores do Instagram. A filha da artista, também atriz, condenou as ações dos terroristas: "Vandalismo não me representa", ela afirmou, por meio do Instagram.

Em Brasília: Terroristas destroem relógio que foi dado de presente para a família real pela corte de Luís XIV

Atos golpistas: Restauração da tela de Di Cavalcanti danificada por terroristas pode levar três meses; obra é avaliada em R$ 8 mi

"Acalmem-se. Ele pode ter parecido maluco, mas sempre lutou pelas quatro linhas. A Constituição o deterá. Sempre", postou Regina, ao compartilhar um vídeo de apoiadores do ex-presidente Bolsonaro em Orlando, nos EUA, onde ele se encontra desde o fim de 2022, quando deixou o país para não cumprir o ritual de passagem da faixa presidencial para Lula. "Se continuar desse jeito, Bolsonaro vai acabar sendo presidente dos EUA, e a gente que perde", escreveu Regina, no mesmo post.

O rastro de destruição deixado por terroristas nas instalações do Palácio do Planalto, do Congresso e do Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília, provocou danos irreparáveis em obras de arte e patrimônios históricos de altíssimo valor. Os bolsonaristas radicais se opõem ao resultado das eleições. A ação culminou em 1.500 prisões, e a Polícia Federal investiga os financiadores do movimento golpista.

Gabriela Duarte, filha de Regina, manifestou repúdio às ações terroristas. "Vandalismo e ignorância são inimigos da liberdade", ela escreveu, em publicação no Instagram. Em 2021, após a polêmica passagem de sua mãe à frente da Secretaria Especial de Cultura do governo Bolsonaro, Gabriela ressaltou que ambas "não são a mesma pessoa" e que nunca desejou "apedrejar a mãe em praça pública".

Na última segunda-feira (9), também por meio do Instagram, Gabriela voltou a condenar os atos terroristas em Brasília. "Sem ordem não há progresso. E nem país. Vandalismo, não!", ela escreveu, por meio dos Stories. "Quem vandaliza não me representa", afirmou, em outro post, acrescentando: "Insegurança. Medo. Ódio. Preconceito. Terrorismo. Criminalidade. País dividido e saqueado. Enganadores e enganados. Resetem o sistema".