Após auditoria, OEA diz que eleição na Bolívia foi fraudulenta e pede novo pleito

SYLVIA COLOMBO
**ARQUIVO** NOVA YORK, EUA, 23.09.2019 - O presidente da Bolívia Evo Morales. (Foto: Vanessa Carvalho/Brazil Photo Press/Folhapress)

BUENOS AIRES, ARGENTINA (FOLHAPRESS) - O secretário-geral da OEA (Organização dos Estados Americanos), Luis Almagro, pediu a anulação das eleições na Bolívia, após auditoria realizada na apuração dos votos. Almagro instou o governo de Evo Morales a convocar novas eleições.

A tensão na Bolívia vem em escalada por conta de enfrentamentos entre apoiadores e críticos de Morales, que o acusam de fraude. Nos últimos dias, houve levantes de policiais e militares que se recusaram a aceitar ordens de repressão contra opositores, enquanto Morales acusou uma "tentativa de golpe de Estado".

Os resultados da auditoria iriam ser divulgados apenas em 13 de novembro, mas foram adiantados "por conta da gravidade das denúncias", disse Almagro em um comunicado em que pede que a eleição do último dia 20 de outubro "seja anulada e que o processo eleitoral comece novamente".

A OEA também afirma que o governo deve marcar o novo pleito "assim que existam novas condições que deem garantias de sua realização, entre elas uma nova composição do órgão eleitoral". 

Ao aceitar a auditoria da OEA, Morales tinha se comprometido a respeitar as conclusões desta análise. Até o momento, o presidente não tinha se manifestado sobre o documento.

A Bolívia vive um agravamento da tensão nas ruas por conta dos resultados contraditórios divulgados após as eleições do último dia 20 de outubro. O órgão eleitoral iniciou uma contagem rápida, que dava um resultado de segundo turno até 80% das atas apuradas. Três horas depois, porém, essa contagem foi interrompida por 24 horas, enquanto se acelerou a contagem 'voto a voto'.

Quando, por fim, foram anunciados os resultados, Morales estava na frente por pouco mais de 10 pontos percentuais de vantagem, o que o levaria a vencer num primeiro turno.

Desde então, os protestos vêm aumentando em La Paz e em outras cidades, com ataques a casas de autoridades, incêndios e confrontos de rua.