Após cancelamento traumático em 2022, Mostra de Cinema de Tiradentes retorna hoje ao formato presencial

Primeiro grande evento do calendário cinematográfico nacional, a Mostra de Cinema de Tiradentes começa hoje na histórica cidade mineira. Trata-se da primeira edição presencial desde o início da pandemia. Em 2022, a mostra estava com sua estrutura praticamente toda montada quando precisou cancelar a edição presencial em razão do aumento de casos de Covid-19 provocados pela variante Ômicron.

Diretor Damien Chazelle levou 14 anos gestando 'Babilônia': 'É uma carta de amor e ódio a Hollywood'

Annie Awards: Wagner Moura recebe indicação ao 'Oscar da animação' por dublagem em 'Gato de Botas 2'

Após dois anos de edições on-line, a Mostra Tiradentes retorna ao seu formato tradicional, com a exibição de filmes, além da realização de debates e oficinas. A principal novidade é a realização do "1º Fórum de Tiradentes - Encontros pelo Audiovisual Brasileiro". O evento buscará debater os principais desafios da cultura e do audiovisual no Brasil. Cármen Lúcia, ministra do Supremo Tribunal Federal, e Alex Braga, Presidente da Ancine, são algumas das personalidades já confirmadas.

"Mugunzá", de Ary Rosa e Glenda Nicácio, é o filme de abertura da programação, que é inteiramente gratuita. Mineiros radicados na Bahia, os realizadores serão homenageados na mostra com uma retrospectiva de sua obra, que tem como destaque o premiado "Café com canela" (2017).

— Essa retomada presencial é muito importante, Tiradentes sempre foi um local de encontros onde podíamos experimentar e debater toda a diversificação da produção audiovisual e vivenciar esse ambiente de trocas — aponta Raquel Hallak, coordenadora geral da mostra, que acredita que a atual edição possa ainda marcar o início de uma nova fase da cultura e do audiovisual no país. — Estamos na expectativa de vivenciar um novo ciclo positivo de revitalização do setor audiovisual no país, com a recriação do Ministério da Cultura.

A programação inclui 134 filmes, entre longas, médias e curtas-metragens, de 19 estados brasileiros. Principal mostra competitiva do evento, a Aurora vem se destacando há vários anos como importante espaço para o jovem cinema independente brasileiro. Em 2023, a seleção conta com sete filmes: "A vida são dois dias" (RJ/CE), de Leonardo Mouramateus; "As linhas da minha mão" (MG), de João Dumans; "Cervejas no escuro" (PB), de Tiago A. Neves; "Peixe abissal" (RJ), de Rafael Saar; "Solange" (PR), de Nathalia Tereza e Tomás von der Osten; "Vermelho bruto" (DF), de Amanda Devulsky; "Xamã Punk" (RJ), de João Maia Peixoto.

Apesar de celebrar a volta do presencial, Hallak lembra que o período com programação on-line foi um importante aprendizado para os organizadores, que se depararam com a possibilidade de atingir um número muito maior de espectadores. Por causa disso, parte da programação do evento seguirá disponível no site oficial. Serão 40 filmes disponibilizados on-line.