Após cortar orçamento do IBGE, Bolsonaro diz que foi o 1ª entrevistado do Censo

*ARQUIVO* BRASILIA, DF,  BRASIL,  07-06-2022, 17h00. O presidente Jair Bolsonaro participa de  Cerimônia Brasil pela Vida e pela Família, no Palácio do Planalto. No evento o presidente fez duras críticas ao STF  (Foto: Gabriela Bilo /Folhapress)
*ARQUIVO* BRASILIA, DF, BRASIL, 07-06-2022, 17h00. O presidente Jair Bolsonaro participa de Cerimônia Brasil pela Vida e pela Família, no Palácio do Planalto. No evento o presidente fez duras críticas ao STF (Foto: Gabriela Bilo /Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Após cortar o orçamento do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e cancelar a realização do Censo de 2021, o presidente Jair Bolsonaro (PL) apareceu nesta segunda-feira (1º) com um colete da entidade e disse que foi o primeiro brasileiro a responder ao levantamento deste ano. A pesquisa começa nesta segunda (1º) em todo o país.

Um ex-assessor do chefe do Executivo publicou nas redes sociais um vídeo em que o mandatário aparece ao lado do presidente do IBGE, Eduardo Luiz Neto, e agradece a todos os recenseadores.

Depois, o mandatário conversou com apoiadores no cercadinho do Palácio da Alvorada ao lado de Neto, que incentivou as pessoas a receberem os entrevistadores em suas casas.

O presidente, por sua vez, diz, em tom de brincadeira, para os simpatizantes "não se comprometerem" e terem "cuidado com perguntas capciosas".

Em março, o Ministério Público Federal havia entrado com uma ação para obrigar o IBGE a adicionar campos referentes à identidade de gênero e à orientação sexual nos questionários básico e amostral do estudo.

O instituto, porém, afirmou que a inclusão de perguntas sobre orientação sexual inviabilizaria a realização do Censo em 2022.

O levantamento de 2020 foi adiado para 2021 devido à pandemia da Covid-19. No início de 2021, porém, o governo anunciou que não iria realizar o Censo por falta de dinheiro. Pouco depois, o ministro Marco Aurélio, que já se aposentou no STF (Supremo Tribunal Federal), mandou o governo realizar o Censo.

A decisão do então magistrado, no entanto, foi derrubada pelo plenário do Supremo, que determinou que o governo só era obrigado a fazer o levantamento em 2022.

O IBGE enfrenta há algum tempo o problema da falta de orçamento. Em 2021, por exemplo, os recursos para a pesquisa, que inicialmente eram de R$ 2 bilhões, foram reduzidos para cerca de R$ 50 milhões.

O Censo deste ano deve ir até o início de novembro. Mais de 183 mil recenseadores estarão nas ruas de todos os municípios e terão a missão de entrevistar um morador de cada domicílio do Brasil. Ao todo, segundo o IBGE, eles visitarão 89 milhões de endereços, sendo residenciais cerca de 75 milhões.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos