Após críticas, Bolsonaro desiste de empresário para embaixada em Israel

IGOR GIELOW
***ARQUIVO***BRASILIA, DF, 13.12.2019: O presidente Jair Bolsonaro participa ao lado do vice presidente Hamilton Mourão, do comandante da Marinha Ilques Barbosa, do ministro da Defesa Fernando Azevedo e Silva e do presidente do senado senador Davi Alcolumbre, de cerimônia do Dia do Marinheiro, no Grupamento dos Fuzileiros Navais em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) desistiu da indicação do diretor de marketing de uma empresa israelense para ocupar o cargo de embaixador em Tel Aviv.

O motivo foram duras críticas à escolha, que partiram do corpo diplomático brasileiro e também de aliados do presidente, que sentiram cheiro de problema quando a indicação foi revelada pelo jornal Folha de S.Paulo, há duas semanas.

O cerne das objeções era a possibilidade de conflito de interesses. Como diretor da IAI (Israel Aerospace Industries), o coronel da reserva Paulo Jorge de Nápolis representa uma das mais importantes empresas de defesa de Israel, que tem negócios na área de drones e vigilância no Brasil.

Isso levantaria, na visão crítica, questionamentos sobre sua atuação em defesa de interesses brasileiros naquele país.

No dia 10, Bolsonaro confirmou que o nome do militar estava "no radar", mas não quis confirmar a indicação publicamente. Naquele ponto, o presidente já havia sido alertado por aliados sobre as questões que seriam levadas invariavelmente à sabatina do coronel para aprovação de seu nome no Senado.

Com isso, o presidente visou desgastar-se ainda mais na sua segunda derrota na tentativa de emplacar um nome para posto brasileiro no exterior. Antes, ele havia indicado o filho Eduardo, presidente da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara, para a embaixada em Washington -só para desistir, após intensas pressões contrárias.

Dois outros fatores importantes operaram pelo veto final ao nome de Nápolis.

Primeiro, o Brasil não tem nenhum embaixador que não seja de carreira hoje ocupando cargos no exterior. Não há impedimento legal para tanto, e no passado políticos já foram titulares de embaixadas, mas a indicação somada ao perfil de Nápolis piorou o cenário.

Segundo, a FAB (Força Aérea Brasileira) relembrou o Planalto de um incidente ocorrido quando Nápolis era adido de Defesa em Tel Aviv, função que exerceu de 2013 a 2015 e que era sua principal credencial para dirigir a embaixada.

Uma secretária que servia ao escritório da Aeronáutica foi demitida e processou a embaixada. Como ela era amiga da família de Nápolis, o coronel foi arrolado como testemunha de sua defesa, o que causou mal-estar entre seus subordinados na representação.

A reportagem tentou ouvir o coronel da reserva sobre o episódio por meio de mensagem no celular. Nápolis tomou conhecimento do teor do assunto, pelo registro do aplicativo, mas não respondeu à reportagem.

O episódio está coberto por uma névoa de mistério. O fato é que foi providenciada a papelada para a consulta ao nome ao governo israelense, embora o Itamaraty se negue a comentar o caso. Não é certo se o dossiê chegou a Israel após a revelação feita pela Folha de S.Paulo.

Bolsonaro e seu entorno palaciano haviam endossado o nome de Nápolis. Mas ninguém assume diretamente a indicação do coronel ao Planalto. Segundo pessoas com conhecimento do caso na área militar, ela foi feita pelo líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo (de saída do PSL-GO).

Procurado, o líder não respondeu sobre isso. Já no Itamaraty há, entre diplomatas mais experientes, a suposição de que a indicação teve apoio do polêmico barão Camilo Agasim-Pereira de Fulwood, o tio do assessor de Assuntos Internacionais de Bolsonaro, Filipe Martins.

O barão, que comprou o título, circula pela Esplanada desde que o novo governo tomou posse. Em abril, sua empresa, a Cine (Câmara das Inovações e Negócios Estrangeiros), organizou um café de lançamento do empreendimento com Bolsonaro em Jerusalém e foi incluída em reuniões comerciais durante a visita presidencial a Israel.

Dois meses depois, o barão condecorou o embaixador de Israel no Brasil, Yossi Shelley, com uma comenda cultural na presença de Bolsonaro. Shelley é próximo do presidente e de seu secretário de Comunicação, Fábio Wajngarten.

Enquanto isso, o tio de Martins foi recebido por diversas autoridades em Brasília, e em novembro duas empresas associadas à Cine estiveram no pavilhão do Ministério da Agricultura numa feira israelense do setor. Agora, o site da empresa saiu do ar.

Em entrevista ao site O Antagonista na semana passada , Martins disse ter alertado o tio sobre o risco de aproximar-se do governo e negou que ele tenha feito uso de seu nome. Ao mesmo veículo, o barão sustentou a mesma versão. A reportagem não conseguiu falar com ambos.

Seja como for, Bolsonaro segue decidido a substituir o atual embaixador em Tel Aviv, Paulo César de Vasconcellos.

O diplomata, que já foi chamado pelo presidente de "petista" apesar de não ter afinidade comprovada com o partido, não agrada Bolsonaro e seus filhos -em particular o deputado Eduardo, que acaba de voltar de Israel, onde participou da abertura do escritório comercial brasileiro em Jerusalém.

O motivo seria exatamente a intenção brasileira de mover sua embaixada para aquela cidade, contrariando a tradição do país de seguir as Nações Unidas e esperar uma definição final sobre o status da capital--disputada por israelenses e palestinos.

Vasconcellos seria contrário à ideia, segundo bolsonaristas, embora nunca tenha falado sobre o tema. Eduardo, em sua visita, reafirmou que a mudança da embaixada ocorrerá.

O presidente defende a mudança, mas recuou após ameaça de boicote ao setor agropecuário por parte de países árabes, para os quais Jerusalém é a capital do Estado ainda inexistente da Palestina.

A iniciativa foi retomada, para desespero da área da Agricultura preocupada com negócios e de setores militares, que não veem motivo para alinhamento tão automático a Israel -que poderia atrair ações terroristas islâmicas ao país, embora isso não esteja no radar hoje.

Bolsonaro quer agradar não só o governo claudicante de seu aliado Binyamin Netanyahu, mas principalmente sua base evangélica. Ter embaixada em Jerusalém na prática reconhece a cidade como capital do Estado judeu, e a consolidação de Israel é considerada para grupos preâmbulo necessário à volta de Jesus Cristo à Terra.