Após críticas sobre ausência em reunião, chanceler destaca sua importância em viagem aos EUA

Isabel Fleck
Eduardo Bolsonaro ao lado do pai e de Donald Trump no Salão Oval.

O chanceler Ernesto Araújo convocou, nesta quarta-feira (20), uma coletiva de imprensa em Brasília para defender decisões tomadas por Jair Bolsonaro em Washington nos últimos dias. O ministro, no entanto, fez uma longa introdução para, basicamente, ressaltar a sua importância dentro do governo Bolsonaro e para a organização da viagem aos EUA.

O movimento se deu depois da repercussão negativa para o Itamaraty da participação do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente, na reunião entre o pai e Donald Trump, no Salão Oval. As críticas foram no sentido de que, se alguém além do presidente brasileiro tivesse que participar do encontro a portas fechadas, esse alguém deveria ser o chanceler. 

Nesta quarta, um dia depois da reunião na Casa Branca, Araújo destacou todo o seu trabalho junto a interlocutores americanos, como o conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, antes da viagem.

“Eu pessoalmente fiz um grande esforço para mostrar que era orientação do presidente [mudar a relação com os EUA]”, disse. “Isso é um processo, que se foi construindo, ao longo de milhares de horas de reuniões, palestras, telefonemas… não é uma coisa que cai do céu.”

Segundo o chanceler, os resultados alcançados em Washington se deveram a um trabalho seu e do Itamaraty nos meses anteriores.

“Existe uma conexão entre as minhas ideias e o resultado que queríamos com os EUA. Isso que eu queria falar”, disse.

“Chegamos a um ponto em que as coisas se materializaram porque havia um terreno em que foi plantado. Não só por mim, isso é outra coisa. Houve um trabalho de equipe tanto dentro do Itamaraty quanto em outros órgãos. Isso é algo que muita gente não percebe porque não sabe o que é trabalhar em equipe.”

O chanceler ainda relembrou toda a trajetória que o levou a ser escolhido chanceler, num aparente exercício de afirmação.

“No meu ponto de vista [essa relação] começou em setembro de 2017 quando...

Continue a ler no HuffPost