Após defesa tímida de Crivella, Bolsonaro recebe prefeito no Alvorada

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Um dia depois de defender timidamente Marcelo Crivella (Republicanos) para a reeleição no Rio de Janeiro, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) gravou nesta sexta-feira (30) uma mensagem de apoio para o atual prefeito, com quem se reuniu no Palácio da Alvorada. Segundo a campanha de Crivella, o prefeito e candidato à reeleição tomou café da manhã com Bolsonaro. A esposa de Crivella, Sylvia Jane, também participou do encontro. O atual prefeito enfrenta dificuldades na eleição municipal e, segundo o último Datafolha, está em situação de empate técnico no segundo lugar. Ele soma 13% das intenções de voto, mesmo índice de Martha Rocha (PDT) e tecnicamente empatado com a petista Benedita da Silva (10%). O líder das pesquisas é o ex-prefeito Eduardo Paes (DEM), que tem 28% das intenções de voto. A gravação de Bolsonaro para o programa oficial do prefeito ocorre um dia depois de uma live em que o presidente endossou de forma constrangida Crivella. Bolsonaro disse que o nome que apoia na capital fluminense "dá polêmica" porque "o Rio de Janeiro sempre é polêmico". Bolsonaro afirmou ainda conhecer Crivella há muito tempo e fez uma breve apresentação do candidato. "Terminando agora, um nome que dá polêmica, porque o Rio de Janeiro sempre é polêmico, né? Estou aqui com o Crivella, está certo? Conheço ele há muito tempo, foi deputado federal comigo, depois foi ser senador, prefeito do Rio de Janeiro, é autor de uma proposta de emenda à Constituição, tem uns 7, 8 anos, que passou a permitir que os militares das Forças Armadas pudessem exercer também a profissão de saúde, né? Fosse médico, enfermeiro, pudesse acumular também. Foi tenente do Exército R2, serviu por oitos no batalhão de Barra Mansa, na época", disse o presidente na live. Logo após esta declaração, ele afirmou que "logicamente a gente está pedindo voto pela administração lá do Rio de Janeiro" e fez alusão, sem mencionar os nomes, a Paes e a Martha Rocha. "Nós sabemos que tem mais dois nomes lá concorrendo. Um lá, que é de um partido X, está já... o tal do Ciro Gomes falou que se ela ganhar, vai ser o chefe da Casa Civil dela. E outro, vocês conhecem também, eu não quero tecer críticas, é um bom administrador, mas eu fico aqui com o Crivella", disse o presidente. Bolsonaro, então, encerrou dizendo que, quem não quiser, não precisa votar em Crivella. "Que não tenha muita polêmica, se você não quiser votar nele, fique tranquilo, tá certo, não vamos criar polêmica, não vamos brigar entre nós por causa disso daí porque eu respeito os seus candidatos também", afirmou.