Após denúncia de racismo contra criança de 3 anos fantasiado de macaco, escola se pronuncia nas redes

Após uma mãe denunciar que o filho de três anos foi vítima de racismo em uma escola municipal em Itaquera, São Paulo, a unidade escolar que é administrada pela Associação Evangélica Monte Carmelo emitiu um comunicado tratando a acusação feita nas redes sociais como "injusta" e que "todas as medidas judiciais já estão sendo tomadas para o devido esclarecimento real dos fatos". O caso ocorreu na última sexta-feira (27).

Telescópio: Hubble captura imagens que podem permitir medição da taxa de expansão do universo

"A Associação Evangélica Monte Carmelo, com mais de 20 anos de serviços prestados em favor da comunidade local, vem pesarosamente manifestar a sua profunda indignação quanto à acusação de crime racial, diga-se injusta, que vem se espraiando nas diversas mídias sociais de maneira leviana e irresponsável, posto que esta instituição jamais compactuaria com qualquer conduta ou gesto que tenha por objeto o racismo. Desta forma e por oportuno informamos que todas as medidas judiciais já estão sendo tomadas para o devido esclarecimento real dos fatos." dizia o comunicado divulgado pela escola no perfil do Instagram.

Stephanie Silva relatou nas redes sociais, que a criança que estuda no Centro Educacional Infantil (CEI) Monte Carmelo II e há uma semana foi realizada a festa de aniversariantes do mês na unidade, em que o tema era circo. O menino foi com a fantasia de palhacinho, e além da roupa estava com o acessório do nariz vermelho e pintura facial.

'O Mágico de Oz': Violino usado na gravação de 'Over the Rainbow' será leiloado por US$ 20 milhões

"Tinha nariz de palhaço, as bochechas e até os olhinhos pintados. Minha sogra, que mora na praia, enviou também itens para a caracterização do nosso palhacinho", escreveu a mãe.

De acordo com ela, o menino estava super animado e feliz com a fantasia. Ela, inclusive, fez registros dele todo sorridente antes dele entrar na escola neste dia e postou as fotos em sua rede social, comemorando a felicidade do filho em estar caracterizado de palhaço para o evento.

Porém, ela relata que no dia seguinte, se espantou ao ver um vídeo compartilhado no Instagram da escola, em que seu filho aparecia com uma máscara de macaco.

Johnny Depp x Amber Heard: o histórico do conturbado relacionamento em 11 pontos

"No sábado minha sogra me enviou um link do Instagram da escola e me perguntou se era ele no vídeo, pois mesmo que ele estava caracterizado de palhacinho, ainda sim, com apenas 3 anos, foi escolhido e vestido por uma máscara de macaco, para atuar em uma apresentação musical na frente de todos os amiguinhos da escola", lamentou a mãe.

A gravação não está mais nas redes da escola. "Me doeu como mulher preta, mas me dói o dobro como mãe de um filho preto. Como explicar para todas as crianças da escola que viram meu filho com a máscara de macaco e ouviram o trecho da música: 'você virou, você virou um macaco', que era uma atração e não a realidade?. Como explicar após a apresentação que eles não podem chamar o amiguinho preto de macaco?", questionou.

De acordo com o marido de Stephanie, não houve nem um pedido de desculpas ou retratação por parte da escola.

— A Stephanie não está bem após a escola reativar o Instagram, desbloquear ela e muitas pessoas que haviam bloqueado e soltar uma nota de repúdio em que nem se quer houve um pedido de desculpas — disse ao Globo.

Em nota, a Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Educação (SME), informa que o caso será apurado e a Diretoria Regional de Educação (DRE) notificará a Organização da Sociedade Civil (OSC) responsável pela unidade para esclarecimentos, sob risco de penalização, conforme legislação. A DRE afirma que está à disposição da responsável pela criança.

* O Yahoo foi procurado, em 07/06/22, pela unidade escolar, que é administrada pela Associação Evangélica Monte Carmelo e, seguindo aquilo que noticiado na matéria acima, destacou que a festa de aniversariantes dos mês, cujo tema era "Circo", contava com a disponibilização de várias máscaras e personagens diversos e que cada criança escolheu, por conta própria, a máscara que gostaria de usar. As máscaras poderiam, inclusive, serem trocadas entre elas. As crianças foram assistidas pelos educadores, mas pela própria dinâmica da atividade, não houve qualquer juízo de valor da unidade escolar sobre raça ou etnia. Destacou, ainda, que várias crianças brancas usaram a máscara de macaco e que nenhuma prática de racismo foi cometida pelos educadores ou pela unidade escolar.

** Vale mencionar que a matéria acima foi elaborada pelo O Globo e foi publicada em página do site Yahoo, em razão de uma parceria entre as duas empresas. Não houve qualquer participação do Yahoo na criação do conteúdo. Neste sentido, O Globo publicou nova matéria sobre o contato da unidade escolar em questão - https://oglobo.globo.com/brasil/noticia/2022/06/apos-denuncia-de-racismo-contra-crianca-de-3-anos-fantasiado-de-macaco-escola-se-pronuncia-nas-redes-sociais.ghtml | https://br.financas.yahoo.com/noticias/ap%C3%B3s-den%C3%BAncia-racismo-contra-crian%C3%A7a-120540862.html

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos