Após encontrar Bolsonaro, Crivella anuncia comissão para dívida da União com saúde

Bernardo Mello e Lucas Altino
Jair Bolsonaro se encontra com Marcelo Crivella

Em encontro com o presidente Jair Bolsonaro nesta segunda-feira, o prefeito Marcelo Crivella fez pedidos para renegociação de dívidas de R$ 5 bilhões do município com o Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e de liberação de verba da Caixa Econômica Federal para obras da Transbrasil. O prefeito, que disse ter citado as dificuldades econômicas do Rio e a intenção de formar parcerias com a União, também afirmou que foi encaminhada a formação de uma comissão com membros da prefeitura e do governo federal para tratar dos repasses financeiros, atualmente desatualizados, para hospitais que foram municipalizados em 1995.

A correção no valor dos repasses a 24 hospitais e unidades de saúde que pertenciam à União mas foram municipalizados entre 1994 e 2005 é uma demanda antiga da prefeitura. O prefeito Marcelo Crivella citou que já há uma decisão judicial favorável ao município para um pagamento de R$ 200 a R$ 300 milhões do governo pela correção.

— Desde que postos e hospitais federais foram municipalizados, em 1995 (ano em que houve assinatura de contrato) os repasses não foram atualizados. Funcionários federais foram repostos por municipais e o que estava previsto em contrato não foi atualizado — explicou o prefeito, que anunciou a criação de uma comissão para tratar do caso.— Vamos montar uma comissão com membros do município e do governo federal.

O presidente Jair Bolsonaro chegou às 10h no Palácio da Cidade e deixou o local às 11h40. A cerimônia contou com a presença de quase todos os secretários municipais, como Cesar Barbiero (Fazenda), Sebastião Bruno (Infraestrutura e Habitação) e Ana Bush (Saúde). O evento teve a apresentação da Orquestra Sinfônica Juvenil Carioca.

Também compareceram lideranças evangélicas, como R.R Soares, líder da Igreja Internacional da Graça de Deus, e Ezequiel Teixeira, ex-secretário estadual de Direitos Humanos e fundador da Igreja Projeto Vida Nova. Mas, segundo Crivella, apoio político ou eleições não foram pauta. O prefeito revelou outros pedidos a Bolsonaro, sobre liberação de verbas para obra da Transbrasil e renegociação com dívida do BNDES.

— Falamos sobre Transbrasil, pois pedimos recursos da Caixa. Ele (presidente) sabe da importância dessa obra para o Rio. Também comentamos sobre o BNDES. Nossa cidade tem compromissos de quase R$ 6,8 bilhões de dívidas, sendo $5 bilhões só com o BNDES. Pedimos, então, para negociar essa dívida — explicou o prefeito ro Rio.

Por último, Crivella também afirmou que o presidente Bolsonaro vai "fazer de tudo" para ir à inauguração da escola cívico-militar que a prefeitura está construindo no Rocha, Zona Norte do Rio. A conclusão das obras está prevista para daqui a 40 dias.