REEDIÇÃO-Após fracasso de Netanyahu, dois maiores rivais tentam formar governo

·1 minuto de leitura
Primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu em Jerusalém

(Corrige erros de digitação ao longo do texto)

Por Jeffrey Heller

JERUSALÉM (Reuters) - Os dois principais rivais políticos do primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, pedirão ao presidente do país nesta quarta-feira uma chance de tentar formar um governo, já que Netanyahu não conseguiu cumprir o prazo de meia-noite para montar uma coalizão.

Líder há mais tempo no cargo na História do país, Netanyahu, de 71 anos, vem lutando pela sobrevivência política em meio a quatro eleições inconclusas realizadas desde 2019.

A eleição mais recente de 23 de março, realizada enquanto Netanyahu é julgado por acusações de corrupção que ele nega, não deu uma maioria ao premiê nem à frágil aliança de rivais de todo o espectro político que almeja retirá-lo do cargo.

Um mandato de 28 dias para montar uma coalizão terminou à meia-noite sem que Netanyahu conseguisse se acertar com parceiros em potencial da direita, o que abriu caminho para o presidente israelense, Reuven Rivlin, atribuir a tarefa a outro membro do Parlamento.

Muitos acreditam que o escolhido será Yair Lapid, de 57 anos, cujo partido de centro Yesh Atida só ficou atrás do Likud do premiê na votação de março. Um acordo de divisão de poder é tema de muito debate, e Lapid poderia se alternar no cargo com o político ultranacionalista Naftali Bennett, de 49 anos, do partido Yamina.

Rivlin se encontrou com os dois separadamente, e ambos se prontificaram a comandar negociações de uma coalizão, disse um porta-voz do presidente.

(Reportagem adicional de Maayan Lubell e Dana Williams)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos