Após funeral da rainha Elizabeth, Bolsonaro seguirá para Assembleia-Geral da ONU

Presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia em Brasília

Por Maria Carolina Marcello

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente e candidato à reeleição Jair Bolsonaro (PL) afirmou nesta segunda-feira que seguirá direto de Londres, onde comparecerá ao funeral da rainha Elizabeth, monarca mais longeva do Reino Unido, para os Estados Unidos, para a Assembleia-Geral das Nações Unidas, em Nova York.

O Brasil é, por tradição diplomática, o país que faz o discurso de abertura da assembleia. Em plena campanha eleitoral, Bolsonaro já avisou que sua fala abordará temas de interesse externo do país, como a questão ambiental, mas também dedicará boa parte a assuntos internos, como o auxílio emergencial e pautas de costumes, bandeiras levantadas pelo presidente na campanha.

"À noitinha eu embarco para o Reino Unido (para) a despedida da rainha Elizabeth", disse o presidente a apoiadores. "E daí, na segunda à noite, eu vou para os Estados Unidos para a abertura da ONU", afirmou, acrescentando que deve retornar ao Brasil na noite da terça-feira.

Bolsonaro, que no dia da morte da rainha decretou luto oficial de três dias no Brasil, avaliava se viajaria para prestar as últimas homenagens, ponderando que o deslocamento ocuparia dias em sua agenda de campanha à reeleição.

No domingo, no entanto, confirmou que estará pessoalmente no funeral da monarca, que foi sucedida no trono britânico por seu filho mais velho, o agora rei Charles 3º.